header top bar

section content

Prefeitura de Itaporanga reduz gratificações de servidores efetivos da saúde

O prefeito de Itaporanga, Djaci Brasileiro (PSDB), reduziu drasticamente as gratificações dos servidores efetivos da área de saúde e gerou uma série de protestos na cidade. De acordo com os funcionários, o corte foi arbitrário e sem nenhum embasamento legal.  Eles reclamam ainda de não terem sido avisados e surpreendidos com a redução ao irem […]

Por

19/09/2009 às 09h37

O prefeito de Itaporanga, Djaci Brasileiro (PSDB), reduziu drasticamente as gratificações dos servidores efetivos da área de saúde e gerou uma série de protestos na cidade. De acordo com os funcionários, o corte foi arbitrário e sem nenhum embasamento legal. 

Eles reclamam ainda de não terem sido avisados e surpreendidos com a redução ao irem sacar o salário nesta quinta-feira 17. Foi reduzido R$ 200 do salário dos Auxiliares de Consultório Dentário (ACD), R$ 400 dos auxiliares de enfermagem, R$ 700 dos enfermeiros e R$ 800 dos dentistas. 

“O pior é que recebemos os nossos contracheques com os salários bruto e liquido, normais, sem o desconto. Então, queremos saber para onde foi desviado o nosso dinheiro”, denunciou um dentista, que preferiu não se identificar para evitar retaliação. 

“Meu salário bruto é de R$ 831 e recebia liquido R$ 765, mas ontem ao ir ao banco para sacar o dinheiro recebi apenas 585, enquanto no contra-cheque permanece o mesmo valor bruto”, disse uma ACD. 

Os servidores revelaram que, caso os salários não sejam repostos, a partir da próxima segunda irão paralisar as atividades, indo aos Postos de Saúde apenas para assinarem o ponto, mas sem realizar nenhum tipo de trabalho. Eles também prometerão acionar o Ministério Público Estadual (MPE) contra a prefeitura para questionar os cortes e tentar rever na Justiça o ressarcimento dos vencimentos.
“Vamos formar uma comissão e na próxima semana iremos ao Ministério Público Estadual para que o nosso salário sejam restabelecidos”, revelaram. 

A prefeitura alega que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) exigiu o enxugamento da folha. Mas, os servidores reclamam que o TCE não determinou aonde deveriam ser feitos os cortes. 

“Deviriam ter cortado ou exonerado os servidores comissionados, que triplicaram nos últimos meses, e não as nossas gratificações, já que somos servidores efetivos, que passamos por um concurso público”, acusam. 

No inicio deste mês, o prefeito Djaci já havia tentado cotar as gratificações dos funcionários das áreas de saúde e educação. Djaci chegou a encaminhar um projeto de Lei a Câmara de Vereadores de Itaporanga para oficializar o fim das gratificações, mas diante da pressão popular, com professores e demais servidores das duas áreas indo as ruas protestar, voltou atrás e pediu a devolução do projeto. 

Djaci chegou a garantir aos servidores que a questão estava encerrada e que as gratificações não seriam mais reduzidas ou extintas, só que nesta quinta a promessa não foi cumprido, com o prefeito reduzindo os salários dos servidores da saúde. Já os vencimentos dos funcionários da educação, por hora, permanecem normais. 

Fonte: Wscom

Tags:
DEPENOU O GALO

VEJA OS GOLS: Atlético de Cajazeiras vence o Treze de Campina e assume a liderança isolada do Paraibano

NA TELA DA TV DIÁRIO

Diário Esportivo traz tudo sobre a 2ª rodada do Paraibano; Tático narra gol da vitória do Atlético

SE CUIDE!

VÍDEO: No Janeiro Branco, Diversidade em Foco promove uma ‘Conversa sobre suicídio e como evitá-lo?’

RECONHECIMENTO

Prefeito de Sousa garante ajuda mensal ao médico cubano: “Eu irei ajudá-lo em todos os momentos”