header top bar

section content

Importante cidade do Sertão é atingida com falta de emprego e população busca alternativas na forte crise

As poucas pessoas que encontramos nas ruas da cidade sertaneja estão distribuindo currículos ou em busca de melhores opções de preços. Vídeo!

Por

15/08/2015 às 16h45

A cidade de Patos, a maior cidade do sertão paraibano e a terceira em população do Estado, com pouco mais de 105 mil habitantes é um dos mais atingidos com a falta de empregos. Basta observar nas ruas do Centro da cidade, que é fácil constatar a pouca presença de pessoas e assim, o comércio quase deserto.

As poucas pessoas que encontramos estão distribuindo currículos ou em busca de melhores opções de preços. Muita gente tem recorrido também aos serviços do Sistema Nacional de Empregos (SINE), localizado no bloco da casa da cidadania, no rodoshopping, em Patos. Lá, os interessados fazem um cadastro e anexam currículo ao banco de dados do SINE. As empresas interessadas buscam, de acordo com as experiências e qualificações do candidato.

A Paraíba tem uma das maiores taxas de desempregos do Brasil, como informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), superando a média do país. Nos três primeiros meses de 2015, a taxa chegou a 9,1% de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). 

O número superou a taxa nacional que ficou em 7,9%, porém, ficou abaixo da média percentual do nordeste em meio por cento. (9,6%). Com pouco dinheiro na mão do consumidor, as vendas no comercio caem e dessa forma, poucos proprietários conseguem manter os funcionários.

DIÁRIO DO SERTÃO com  Patosmetropole.com

Tags:
MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”