header top bar

section content

Estudante do Vale do Piancó chora ao entrar em local de prova faltando 30 segundos para fechar os portões

A estudante estava muito emocionada, e chorando disse que havia esquecido a documentação em cidade diferente do local de prova.

Por Luzia de Sousa

07/11/2017 às 17h49 • atualizado em 07/11/2017 às 23h29

Faltando apenas 30 segundos para fechar os portões do Maestro José Siqueira, em Conceição, Sertão da Paraíba, a estudante Patrícia Lourenço, de 19 anos, natural da cidade de Santana de Mangueira conseguiu entrar para realização do 1º dia prova do Enem.

A jovem só percebeu que havia esquecido a carteira de identidade quando chegou no local da prova, e entrou em contato com a família para levar a documentação, mas a distância entre as cidades,de quase 32 km deixou Patrícia apavorada.

Faltando um minuto para o fechamento dos portões, a estudante foi entrevistada pelo radialista F. Diassis da 91FM, e chorando muito a estudante disse que era o segundo ano que estava fazendo a prova, quando de repente chegou um amigo em uma motocicleta com o documento dela, que saiu correndo para sala.

Nessa segunda-feira (6), Patrícia foi entrevistada mais uma vez pelo mesmo repórter e disse que apesar do susto fez uma boa prova. Ela sonha em fazer faculdade de Farmácia ou Enfermagem.

Os alunos de Conceição, Ibiara, Santana de Mangueira, Santa Inês e Bonito de Santa Fé fizeram provas em três escolas de Conceição, são elas: Maestro José Siqueira, Raimunda Leite Sobrinha e Caçula Leite.

DIÁRIO DO SERTÃO com Conceição PBOnline

Tags:

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora