header top bar

section content

Em Sousa: mulheres escolhem o muay-thai para modelar o corpo. Veja o vídeo!

De acordo com professor de uma academia da cidade de Sousa, o número da procura de mulheres pelo esporte já é maior do que o dos homens

Por

27/08/2014 às 06h44

Uma arte marcial predominantemente masculina está fazendo a cabeça das mulheres no Sertão paraibano. É que aumentou a participação feminina nas aulas de muay-thai em uma academia da cidade de Sousa. Elas procuram o esporte com o objetivo de manter a forma e aprender autodefesa.

Para o professor de muay-thai Edílson Júnior, um dos principais motivos para a afinidade das mulheres com o esporte é que ele trabalha vários grupos musculares e modela o corpo feminino. Além disso, a arte marcial dá condicionamento físico para seus praticantes.

– A maior procura é feminina. São 85% de alunas para apenas 15% de homens que procuram o muay-thai. O Muay-thai trabalha muito bem as valências físicas de força, agilidade, condicionamento aeróbico e isso foi atraindo o público feminino, que foi gostando muito do trabalho que ele tem para preparar e modelar o corpo – disse o professor.

A vendedora Mary Figueiredo é uma das alunas da academia, que se tornou adepta do muay-thai. A sertaneja afirmou que após começar a praticar o esporte já emagreceu 12 kg e melhorou seu condicionamento físico.

– Eu diminui uns 12 kg mais ou menos. Eu tinha mais um pesinho, não tinha tanta massa muscular e minha respiração era muito ofegante. Se eu fosse andar de bicicleta, eu ficava cansada. E hoje não – contou Mary Figueiredo.

Veja vídeo!

Globoesporte

Tags:

Recomendado para você pelo google

É GRAVE

VÍDEO! Moradores reclamam da falta de exames no laboratório municipal em Patos: “Não tem nem de sangue”

'QUEDA DE BRAÇO'

VÍDEO: Vice-presidente da OAB Nacional afirma que disputa entre advogados e juízes não gera ‘fissuras’

OUTUBRO ROSA

VÍDEO: Cajazeirense relata sua luta contra o câncer de mama e deixa mensagem de otimismo para mulheres

CRÍTICAS A BOLSONARO

VÍDEO: Professora cita problemas na UFCG e alerta para ‘desmonte criminoso das universidades públicas’