header top bar

section content

Cadeirante revela que pode perder curso universitário por falta de transporte. Veja!

Morando com o pai, o estudante disse que é difícil se locomover nas ruas de Sousa, pois tem que disputar espaço com os carros

Por

16/07/2014 às 19h17

O Interview da TV Diário do Sertão entrevistou o atleta sousense, Eriton Garrido.

O Interview da TV Diário do Sertão desta quarta-feira (16), entrevistou o atleta cadeirante da cidade de Sousa, o universitário Eriton Garrido. Ele também é membro da Federação Paraibana de Musculação.

Morando com o pai, o estudante disse que é difícil se locomover nas ruas de Sousa, pois tem que disputar espaço com os carros. “Não tem acessibilidade na cidade. Eu mudei minha condição de vida, mas não preciso me esconder por conta disso”.

O sousense reclamou das calçadas, lamentou a falta condições para locomoção dos cadeirantes, largura das portas e falta de acessibilidade nos banheiros públicos.

O atleta fisiculturista afirmou que passa por preconceitos. “Muita gente tem pena, mas acho esse sentimento inútil. As pessoas não enxergam o deficiente como deveria”.

Ele explicou que ficou com edema na medula, e atualmente vive com as pernas “amarradas” na cadeira. “Antes não precisava disso, mas surgiu essa necessidade”.

O que causou
Eriton disse que foi atingido por golpes de faca há quase seis anos, e revelou que ao cair no local do fato já teve uma noção que ficaria impedido de andar. “Quando veio a certeza, encarei com dificuldade, mas o medo de morrer era maior e isso me fez superar”.

Esporte
O universitário afirmou que o gosto pelo esporte surgiu após a deficiência, mas entrou na competição profissional no ano passado.

Eriton precisa de patrocínio para praticar esportes. Segundo ele, precisa inicialmente de uma cadeira de rodas para disputar as paraolimpíadas de atletismo. “É um preço alto e muito difícil o patrocínio”.

Competição
O sousense informou que participou no ano passado do campeonato paraibano na categoria iniciante, e conseguiu o primeiro lugar. “Fui o primeiro a estrear nessa categoria”.

Outras dificuldades
O estudante revelou também, que sentiu dificuldade no Instituto Federal de Educação de Sousa quando estava cursando educação física e foi obrigado a trancar o curso por falta de acessibilidade.

“É o curso do meu sonho, mas o município e o instituto alegaram que não era de responsabilidade deles o transporte, também não tinha como me locomover dentro do campus, daí tranquei o curso e posso perdê-lo por isso”. Lamentou o jovem

Contato
Para falar com Eriton o telefone é o (83) 93663691

Veja vídeo!?

DIARIO DO SERTÃO

Tags:

Recomendado para você pelo google

PREOCUPADO

VÍDEO: Na Semana dos Pobres, bispo de Cajazeiras alerta que “pobreza se avoluma cada vez nas cidades”

A OBRA PAROU?

Ex-vereador denuncia que terminal rodoviário de Sousa está abandonado: “Prefeito Tyrone não está nem aí”

PROJETO DE LEI

VÍDEO: Comentarista diz que críticas ao leilão de imóveis da Prefeitura de Cajazeiras é ‘politicagem’

NASCEU DE NOVO!

VÍDEO: condutor-socorrista do SAMU salva bebê que estava engasgado e sem respirar em Patos