header top bar

section content

LAMENTÁVEL: Cajazeirense e tio de secretário é amarrado e assassinado dentro de residência no Maranhão; Polícia Civil está investigando o caso

Ele foi assessor parlamentar e exerceu cargo público na prefeitura municipal do Maranhão, além de exercer as funções de secretário e tesoureiro do diretório do PSB.

Por Luzia de Sousa

17/05/2017 às 17h47 • atualizado em 17/05/2017 às 19h05

Cajazeirense foi assassinado no Estado do maranhão (Foto: CZN)

O cajazeirense José Nogueira de Assis, 77 anos, residente na cidade de Santa Inês no estado do Maranhão foi encontrado morto nessa quarta-feira (17), dentro da sua residência, no Conjunto Residencial Sol Nascente.

De tradicional família cajazeirense, Nogueira como era conhecido na Terra do Padre Rolim, era tio do Secretário Executivo de Comunicação da Prefeitura de Cajazeiras, o radialista Jota França.

A vítima foi encontrada amarrado na sua cama e a residência toda revirada. O veículo pertencente a vítima, um Prisma de cor prata foi encontrado abandonado na zona rural de Santa Inês.

Ele foi assessor parlamentar e exerceu cargo público na prefeitura municipal no Estado do Maranhão, além de exercer as funções de secretário geral e tesoureiro do diretório do PSB.

Nogueira atuou como locutor da Rádio Difusora, foi um dos fundadores da Rádio Alto Piranhas e trabalhou também na antiga Distribuidora da Coca Cola, na Viação Brasília e nas Casas Pernambucanas. Em Cajazeiras, Nogueira tem duas irmãs (Toinha e Nilda), vários sobrinho e cunhadas.

DIÁRIO DO SERTÃO com Portal CZN

Recomendado para você pelo google

ALERTA!

VÍDEO: Xeque Mate recebe bombeiros militares em programa sobre acidentes dométicos e primeiros socorros

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Se reforma da Previdência não cortar privilégios, sociedade deve ‘gritar’ contra ela, diz padre

INFRAESTRUTURA

VÍDEO: Chuvas destroem ruas de Cajazeiras que não são pavimentadas e moradores cobram ação da Prefeitura

VETERANO DA MÚSICA

VÍDEO: Em Cajazeiras, cantor de renome nacional critica sertanejo universitário: “Virou uma baderna”