header top bar

section content

TRAGÉDIA: Freira morre queimada em incêndio dentro de educandário

O fato aconteceu quando o fogo destruiu parte do alojamento do Educandário Santa Teresinha. PM suspeita de um curto-circuito.

Por Redação Diário

29/10/2017 às 18h05 • atualizado em 29/10/2017 às 19h11

A irmã, Terenice Souza Vilas Bôas, de 47 anos

Uma freira morreu na madrugada deste domingo (29), vítima de um incêndio dentro do Educandário Santa Teresinha, em Caicó, cidade do Rio Grande do Norte. Segundo a Polícia Militar, o corpo de Terenice Souza Vilas Bôas, de 47 anos, foi encontrado carbonizado após os bombeiros controlarem as chamas.

A suspeita é de que o fogo tenha começado após um curto-circuito no quarto onde a religiosa dormia.

Ainda de acordo com a PM, outras freiras estavam na escola no momento do incêndio, mas conseguiram escapar sem ferimentos.

O educandário é uma escola particular coordenada por freiras da Irmandade do Amor Divino, da Igreja Católica. O prédio também é sede da Faculdade Católica Santa Teresinha.

O Corpo de Bombeiros disse que recebeu o chamado por volta das 2:30h, informando que um incêndio havia atingido o alojamento das freiras, que moram na escola. Uma delas conseguiu correr para o meio da rua e pediu socorro.

O Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) esteve no local para recolher o corpo da freira e vai preparar um laudo que deve apontar as causas do incêndio.

A PM também informou que Terenice era natural da cidade de Santo Estevão, na Bahia, e fazia pouco tempo que havia chegado a Caicó.

PORTAL DIÁRIO com G1

Recomendado para você pelo google

É GRAVE

VÍDEO! Moradores reclamam da falta de exames no laboratório municipal em Patos: “Não tem nem de sangue”

'QUEDA DE BRAÇO'

VÍDEO: Vice-presidente da OAB Nacional afirma que disputa entre advogados e juízes não gera ‘fissuras’

OUTUBRO ROSA

VÍDEO: Cajazeirense relata sua luta contra o câncer de mama e deixa mensagem de otimismo para mulheres

CRÍTICAS A BOLSONARO

VÍDEO: Professora cita problemas na UFCG e alerta para ‘desmonte criminoso das universidades públicas’