header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

Vídeo mostra detalhes do crime em posto de combustível em Sousa; frentista morreu e mulher ficou ferida

O vigilante suspeito do crime, já foi identificado, mas não tinha sido localizado pela Polícia Militar até o final da tarde deste domingo.

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

20/05/2018 às 18h45 • atualizado em 20/05/2018 às 19h28

Um vigilante matou o frentista José Nilton Estrela Dantas, de 38 anos, e baleou a esposa dele por volta das 09:40h deste domingo (20) em um posto de combustíveis às margens da BR 230 na saída de Sousa para Cajazeiras.

De acordo com informações da polícia militar, o vigilante chegou ao local e se aproximou das vítimas efetuando vários tiros de arma de fogo. José Nilton foi atingido com três tiros no abdômen e foi socorrido pelo SAMU e Bombeiros, mas morreu no Hospital Regional de Sousa. A mulher do frentista foi baleada na cabeça e também foi encaminhada ao Hospital onde permanece internada. A Polícia Militar não informou o estado de saúde dela.

Frentista chegou a ser encaminhado ao Hospital, mas acabou morrendo (foto: Diário do Sertão)

O vigilante suspeito do crime já foi identificado, ele trabalha na lanchonete do posto de combustível onde ocorreu o crime, mas não tinha sido localizado pela Polícia Militar até o final da tarde deste domingo.

Frentista chegou a ser encaminhado ao Hospital, mas acabou morrendo (foto: Diário do Sertão)

A Polícia ainda não informou o que motivou o crime. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Entorpecentes (DHE).

DIÁRIO DO SERTÃO

BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça