header top bar

section content

EXCLUSIVO: PM que foi expulso acusado de estuprar enteada em Cajazeiras fala pela primeira vez do caso

Com exclusividade, ele prestou entrevista à TV Diário do Sertão e confirmou a segunda versão da adolescente, que disse à polícia que seu padrasto é inocente

Por Jocivan Pinheiro

03/09/2018 às 14h31

O cabo da Polícia Militar de Cajazeiras que foi expulso da corporação por estar respondendo a um processo de abuso sexual que teria sido cometido contra sua própria enteada em 2015, quando ela tinha 12 anos de idade, falou pela primeira vez sobre o caso.

Com exclusividade, ele prestou entrevista à TV Diário do Sertão e confirmou a segunda versão da garota. Ela disse às autoridades policiais que seu padrasto é inocente e que o primeiro depoimento foi falso.

A adolescente, hoje com 15 anos, voltou atrás e inocentou o padrasto afirmando que ela mentiu em depoimento porque estava sendo manipulada pela sua então sogra.

O policial confirmou essa versão e disse ainda que a ex-sogra da adolescente armou o suposto abuso sexual para se vingar dele, pois ele teria dado parte dela na delegacia acusando-a de estar prostituindo a garota.

“A pior coisa do mundo é você ser injustiçado, você estar pagando por uma coisa que você não fez. Eu tenho minha consciência limpa e vou provar minha inocência”, disse o policial.

VEJA TAMBÉM:

+ Adolescente nega ter sido abusada pelo padrasto expulso da PM e diz que mentiu por influência

O policial prestou entrevista exclusiva à TV Diário do Sertão

No mês passado, a adolescente também procurou a TV Diário do Sertão para confessar que mentiu em depoimento à polícia e que seu padrasto não abusou sexualmente dela.

O suposto estupro de vulnerável teria acontecido há três anos em Cajazeiras, quando a adolescente tinha 12 anos de idade. Mas ao saber que o cabo foi expulso, ela procurou as autoridades e a nossa TV para desmentir o que havia relatado em 2015.

“Eu tive que mentir porque, como eu estava gostando da vida que eu tinha, usando drogas, e minha mãe e meu padrasto nunca deixavam eu sair de casa e fazer as coisas, eu tive que falar isso por conta de influências”, relatou a garota.

Portaria de expulsão do Cabo acusado de estuprar enteada de 12 anos foi publicado no DOE-PB (Foto: DOE-PB/Reprodução)

O policial conta que sua esposa – mãe da adolescente – confiou na sua inocência e por isso ajudou a convencer a filha a desmentir a acusação.

“Minha esposa ficou o tempo todo do meu lado, acreditou na minha inocência e não me abandonou em momento nenhum. Meus amigos também sabem que não sou homem para isso. Sempre fui trabalhador, sempre me dediquei à Polícia Militar, jamais faria um ato desses. Isso é uma infâmia e uma armação da ex-sogra dela para se esquivar da Justiça. Até ela [a adolescente] conhecer essas pessoas de má índole, era uma garota excelente, me respeitava como pai, e acho que hoje, estando com a cabeça fria, ela sabe que eu fui um pai que ela nunca teve. Eu sempre a tratei como uma filha, nunca desrespeitei.”

O policial garante que vai recorrer, pois, segundo ele, sua permanência na Polícia Militar teria sido aprovada por uma comissão da própria PM. No entanto, o comandante geral decidiu exonerá-lo.

DIÁRIO DO SERTÃO

VÍDEO: Psicologia no Ar recebe diretores e psicóloga de organização que promove cidadania em Cajazeiras

NOVIDADES

Xeque-Mate visita lançamento do novo plano da Eletrosorte, que firmou parceria com gigante dos seguros

FUTEBOL DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Dirigentes e ex-jogadores relembram histórias marcantes do Duque de Caxias, que completou 50 anos

VÍDEO: Programa de rádio que é sucesso na região de Campina fecha parceria com emissora de Cajazeiras