header top bar

section content

Cliente que estava em Posto de Sousa revela que pediu a Deus para não morrer em tentativa de assalto

ASSISTA: O homem contou que passou por momentos de aflição e pediu a Deus para não morrer na ação criminosa em Sousa, Sertão da Paraíba.

Por Luzia de Sousa

23/10/2018 às 13h56 • atualizado em 24/10/2018 às 07h27

Um cliente do Posto de Combustíveis que sofreu uma tentativa de assalto na noite dessa segunda-feira (22), às margens da BR 230, em Sousa falou à TV Paraíba e contou como tudo ocorreu.

+ LAMENTÁVEL: vigilante morre assassinado a tiros ao reagir a assalto em posto de combustíveis em Sousa

Sem se identificar, o homem que estava no posto no momento que a dupla chegou em uma moto contou que os suspeitos mandaram que ele e outra pessoa que também estava no local colocarem as mãos na cabeça e não olhar para trás.

“De repente saíram um pessoal pra lá e eles correram atrás. Com pouco momento ouvi só o tiroteio, aí me abaixei. Quando eles voltaram fiquei orando pedindo a Deus que não acontecesse nada, aí montaram na moto e sumiram”. Contou ele.

Na ação o vigilante do posto, Raimundo Félix de Medeiros, mais conhecido por Ramon do Acordeon foi atingido. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu.

Tentativa de assalto em Sousa, no Sertão da Paraíba. — Foto: Reprodução/TV Paraíba

Outro homem, que estava na lanchonete também foi atingido, foi levado ao Hospital Santa Terezinha, onde continua internado na UTI.

A dupla foragiu logo após os disparos e não conseguiu levar nada. A Polícia Militar foi acionada, mas ninguém foi preso.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

DONO DA CONSULTRAN

VÍDEO: Especialista em trânsito elogia Zona Azul de Cajazeiras, mas cobra ensino de trânsito nas escolas

QUER MAIS SEGURANÇA

VÍDEO: Cantor da região de Cajazeiras diz que consumo de drogas nas festas dificulta fechar contrato

SAÚDE & BEM-ESTAR

VÍDEO: Em Cajazeiras, médica explica o que é ‘prato colorido’ para quem quer perder peso com saúde

BOMBA

VÍDEO: Jornalista cajazeirense mira nos ‘Bocas Loucas’ da política paraibana