header top bar

section content

Por estar distante, família teme que assassinato de mulher da região de Cajazeiras caia no esquecimento

Na segunda-feira, o repórter Jota Erre acompanhou o sepultamento de Maria Dalvina em Bom Jesus e disse que o clima era de muita comoção e pedidos de justiça

Por Jocivan Pinheiro

09/01/2019 às 18h03 • atualizado em 09/01/2019 às 15h44

A família de Maria Dalvina Dantas, 39 anos, assassinada no sábado (05) em Praia Grande-SP, teme que o caso caia no esquecimento por não poder acompanhá-lo de perto. A informação é do repórter Jota Erre direto da cidade de Bom Jesus-PB, terra-natal da vítima e onde mora a família.

Na segunda-feira, Jota Erre acompanhou o sepultamento de Dalvina em Bom Jesus e disse que o clima era de muita comoção e pedidos de justiça. “A gente tentou conversar com alguns familiares, mas realmente não tinha condições”, frisou o repórter.

VEJA TAMBÉMMulher morta pelo marido em SP é sepultada em cidade da região de Cajazeiras sob muita comoção

O marido de Davina foi preso suspeito de tê-la assassinado a tiros após uma discussão. Ele chegou a levar a vítima ao hospital, onde acabou sendo preso em flagrante. Dalvina não resistiu aos ferimentos e acabou falecendo.

“Era uma jovem com muita vida. Manifestava com os amigos e familiares muita alegria e foi vítima dessa violência que cresce assustadoramente no nosso país vitimando mulheres”, disse Jota Erre no programa Balanço Diário.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Governador João Azevêdo fala sobre o afastamento político com Ricardo Coutinho e mudanças no Governo

TRAGÉDIA

VÍDEO E FOTOS: Delegado dá detalhes do grave acidente próximo a parque de vaquejada em Cajazeiras

ESPERANÇA

VÍDEO: Presidente da OAB declara que luta pela permanência da Vara do Trabalho de Cajazeiras não acabou

ENTREVISTA

VÍDEO EXCLUSIVO: Governador anuncia obras no Sertão, esclarece polêmicas e fala de relação com Ricardo