header top bar

section content

Ouça: Senador cajazeirense antecipa voto para impeachment da presidente Dilma. Veja!

Quanto a acusação de trairagem a Dilma, ele respondeu que a decisão do partido foi em sintonia com o povo brasileiro.

Por Luzia de Sousa

18/04/2016 às 17h50 • atualizado em 19/04/2016 às 07h27

Senador Raimundo Lira, senador do estado da Paraíba

O senador cajazeirense Raimundo Lira (PMDB), prestou entrevista exclusiva ao sistema Diário do Sertão nesta segunda-feira e avaliou o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Sabatinado pelos apresentadores do programa Olho Vivo da TV Diário do Sertão, Petson Santos e Jota França, o peemedebista adiantou decisões no cenário político.

De Brasília, o senador disse que a votação para continuidade do processo de impeachment atendeu as expectativas do PMDB nacional. “Atendeu as expectativas dos deputados e da maioria da população brasileira”.

Raimundo Lira explicou que a votação no Senado será ligeiramente diferente da Câmara, pois lá ocorre admissibilidade do impeachment e em seguida o julgamento. Ele disse que será criada a Comissão Processante, composta por 21 senadores, sendo um deles eleito presidente, que fará um relatório e será levado ao plenário, onde deverá ser aprovado pela maioria absoluta, no caso, 41 senadores.

“Na hora que o processo for votado por esses 21 senadores, a presidenta Dilma já será afastada do cargo por 180 dias e Michel Temer assumirá até o terminal do impeachment”, contou o senador.

O peemdebista informou que após aprovação do relatório, o Senado se transformará em um tribunal superior para fazer o julgamento do impeachment, que será presidido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal e precisa de uma maioria de dois terços.

Voto
Lira revelou que vai acompanhar a bancada do PMDB da Paraíba, que votou unanimemente a favor do impeachment e assegurou que o processo de cassação é defendido pela maioria dos brasileiros, inclusive dos cajazeirenses.

Quanto a acusação de trairagem do partido a presidente Dilma, ele respondeu que a decisão do partido foi em sintonia com o sentimento do povo do Brasil.

Solução
Ele disse que acredita no crescimento do país, inclusive da economia, geração de emprego e renda com a saída de Dilma do poder. “Isso é normal. Em 1992 nós estávamos em uma crise, não tão crítica, mas o país voltou a crescer”.

O senador revelou que um dos planos de Temer é reduzir 38 para até 22 ministérios, reduzir despesas desnecessárias, barrar aumento de impostos, além de ganhar liberdade total dos parlamentares para que ele possa retomar o crescimento do Brasil.

Bolsa Família
O paraibano afirmou que, no caso do vice-presidente assumir o cargo, o programa social Bolsa Família vai continuar, pois foi um projeto que deu certo. “Pertence ao país e nenhum governo vai retirar o programa. Isso é intimidação”.

Cunha
Sobre Eduardo Cunha (PMDB), o senador assegurou que Temer não vai se afastar do governo em nenhum momento para não deixar o presidente da Câmara Federal ascender ao cargo de presidente da República.

Ouça áudio da Rádio Diário do Sertão FM!

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

DINHEIRO NO BOLSO

VÍDEO: Show e Prêmios Alô da Sorte realiza mais um sorteio mensal da rodada extra; Saiba quem ganhou

PROFESSORES CONTRATADOS

VÍDEO: Após pressão de vereador, prefeitura de Cajazeiras confirma pagamento de salários atrasados

VIOLÊNCIA SEM PARAR

VÍDEO: Jovem é morto com vários tiros e mulher fica ferida após ser vítima de bala perdida em Cajazeiras

TRAGÉDIA

VÍDEO: Comandante da PM lamenta morte de vereador e diz que assassinos são conhecidos no crime