header top bar

section content

Frente Brasil Popular de Cajazeiras assina carta-manifesto contra impeachmet de Dilma

O documento foi assinado por diversos movimentos de defesa da democracia e divulgado nas redes sociais

Por Jocivan Pinheiro

10/05/2016 às 16h37 • atualizado em 10/05/2016 às 16h38

A base de Cajazeiras da Frente Brasil Popular, formada por estudantes, professores, sindicalistas e trabalhadores, também assinou uma carta-manifesto dos movimentos sociais do país contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff e contra o movimento golpista que se articula na Câmara e no Senado.

O documento foi assinado por diversos movimentos de defesa da democracia e divulgado nas redes sociais como forma de eles se posicionarem claramente contra a tentativa golpista de derrubarem um governo legitimamente eleito pelo povo.

O médico Enrique Gonçalves, que integra a Frente Brasil Popular em Cajazeiras, reitera que os movimentos sociais não podem admitir que a presidente seja destituída sem haver crime de responsabilidade e pelas mãos de agentes políticos que respondem a acusações, investigações e ações na Justiça.

“O processo de impeachment tanto não tem crime de responsabilidade, como o próprio processo de condução – tanto o conteúdo como a forma- dá claras demonstrações de que há um processo golpista em curso. E a Frente Brasil Popular vai continuar nas ruas. O governo Michel Temer, assumindo, é um governo ilegítimo. A gente não pode admitir que um vice-presidente que atua de maneira conspirativa assuma para implementar um projeto que foi derrotado nas últimas quatro eleições”, comenta o médico.

DIÁRIO DO SERTÃO

MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”