header top bar

section content

Aumento de casos de doença que ataca pessoas e animais preocupa a Secretaria de Saúde do Estado

A esporotricose é uma micose causada por fungo que pode atacar humanos e animais

Por Secom-PB

27/05/2018 às 20h30 • atualizado em 27/05/2018 às 20h34

Esporotricose pode atacar humanos e animais

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Gerência Executiva de Vigilância em Saúde, emitiu uma nota informativa com orientações sobre a esporotricose, uma micose subcutânea causada pelo fungo Sporothrix schenckii que pode atacar humanos e animais, cujos casos vêm registrando acréscimo.

“Apesar de não ser de notificação obrigatória, sabemos do aumento desta doença com os colegas veterinários, ONGs paraibanas e pela própria população”, disse o chefe do Núcleo de Controle de Zoonoses da SES, Francisco de Assis Azevedo.

O médico veterinário explicou que, como o fungo está constantemente em ambientes abertos, principalmente no solo, a esporotricose pode ser transmitida por meio de ferimentos já abertos que tenham contato com algum material contaminado. Outra forma pelo contato com animais contaminados, gatos em sua maioria.

“A maioria da transmissão tem sido associada a gatos infectados. Não há relatos de transmissão de homem para homem e de cachorro para homem. A maioria dos relatos é de transmissão de gato para homem e de gato para o cachorro. Por isso, o gato é a maior vítima da doença e não o vilão”, explicou Assis.

VEJA MAISProjeto para castração e cuidado de animais de rua é lançado oficialmente em Cajazeiras

Nos felinos os sinais mais comuns são lesões ulceradas na pele, profundas, que não cicatrizam e costumam evoluir rapidamente. As lesões são mais comuns na cabeça, cauda e patas. Os casos suspeitos deverão ser avaliados pelos serviços de Vigilância Ambiental/Zoonoses dos municípios.

Entre as medidas de prevenção estão usar luvas para manipular os animais doentes; limpar o ambiente com água sanitária; durante o tratamento, o animal doente deverá transmitir a doença ao proprietário; cremar os animais mortos; não fazer curativos e nem dar banho em animais doentes e castrar gatos e gatas saudáveis pra diminuir as saídas às ruas e a possibilidade de transmissão da doença.

De acordo com nota, a SES orienta que é facultado aos serviços de Vigilância Ambiental/Zoonoses dos municípios realizarem procedimentos necessários de acordo com a severidade dos casos, a exemplo de animais de rua com os exames laboratoriais positivos que apresentem riscos iminentes à população; animais entregues, voluntariamente, pelos donos, por não ter condições de dar continuidade ao tratamento e animais comunitários que estejam com a doença e que causem risco iminente a saúde pública.

Recomendado para você pelo google

DONO DA CONSULTRAN

VÍDEO: Especialista em trânsito elogia Zona Azul de Cajazeiras, mas cobra ensino de trânsito nas escolas

QUER MAIS SEGURANÇA

VÍDEO: Cantor da região de Cajazeiras diz que consumo de drogas nas festas dificulta fechar contrato

SAÚDE & BEM-ESTAR

VÍDEO: Em Cajazeiras, médica explica o que é ‘prato colorido’ para quem quer perder peso com saúde

BOMBA

VÍDEO: Jornalista cajazeirense mira nos ‘Bocas Loucas’ da política paraibana