header top bar

section content

VÍDEO: Após votar, Jeová diz que país vive momento de ‘profundas trevas’ e pede participação do eleitor

Deputado estadual candidato a reeleição votou na manhã de hoje em Cajazeiras

Por Jocivan Pinheiro

07/10/2018 às 10h47 • atualizado em 07/10/2018 às 10h52

O deputado estadual Jeová Campos (PSB), candidato a reeleição, votou na manhã de hoje na Escola Estadual Monsenhor João Milanês, no Centro de Cajazeiras, e na saída falou com a TV Diário do Sertão sobre o atual momento político do Brasil e a importância de exercer a democracia votando.

Segundo Jeová, o país vive um momento de “profundas trevas” que começou com o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, fato que ele classifica como um “golpe extremamente grave” com “repercussões sociais profundas contra o povo”. “É um cenário triste de uma página que precisa ser virada”, completa o deputado.

VEJA MAISConfira quantos eleitores estão aptos a votar em Cajazeiras e outras cidades do Sertão

Jeová Campos diz ainda que “a sensação de votar nesse instante é de colaborar como pessoa para que o Brasil volte a ter um pacto social novo, onde tenha por base o trabalho, a geração de oportunidades e mais do que isso, que as pessoas possam voltar a sorrir”.

Por fim, ele avalia sua campanha e ressalta a importância da democracia: “Estou muito certo de que fizemos um bom combate nesta campanha, levamos nossas ideias para a Paraíba inteira e nesse instante que venho aqui firmar o voto, realizo o ato mais sublime da cidadania, que é você ser eleitor e poder decidir os rumos do seu país e do seu estado”.

DIÁRIO DO SERTÃO

MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”