header top bar

Edivan Rodrigues

section content

Chico Rolim e seus 90 anos

02/12/2012 às 11h44

No próximo dia 6 Francisco Matias Rolim será alvo de homenagens ao completar 90 anos de idade. Muito justo. Quase um século de calmaria? Que nada. Uma vida cheia de altos e baixos, de idas e vindas, no plano comercial, político, emocional e familiar. Quem o conhece de perto ou acompanha sua trajetória me dará razão. Os que não o conhecem, mas passaram a vista no “Miolo do Sertão: A história de Chico Rolim contada a Sebastião Moreira Duarte” têm uma ideia da sinuosidade dos caminhos percorridos por esse matuto do Olho d’Água do Melão. Embora nesta última hipótese, a biografia assuma forma narrativa impregnada do viés literário do autor. Pouco importa. O matuto foi um vencedor.

É bem verdade que Chico se arrependeu de ter contribuído para algumas lutas vitoriosas. Empolgado com sua estreia na “sociedade” cajazeirense, Chico Rolim engrossou a corrente formada nos meados do século 20 para construir a sede do Cajazeiras Tênis Clube, justo no local da casa onde se originou a cidade. E não era uma casa qualquer. Nela estavam as marcas da mãe do padre Rolim. Para destruí-la inventaram um falso dilema: tradição versus progresso. Quem era contra a derrubada da casa pioneira representava o atraso. Os defensores de sua destruição fizeram-se paladinos do progresso. Afinal, tratava-se de uma casa velha… e pobre. O clube da elite seria novo e moderno e rico.

Puro veneno. A falsa opção serviu para encobrir idiossincrasias e, de certa maneira, fustigar a Igreja. Casa e igreja sendo parte da mesma vertente histórica. Hildebrando Assis, então jovem advogado, deputado estadual foi o mentor do crime. Aliás, de dois crimes contra a história. Primeiro, mudar o nome do Clube Oito de Maio para Cajazeiras Tênis Clube. O 8 de maio lembra o fim da Segunda Guerra Mundial, a vitória da democracia contra o nazismo, portanto, é história da humanidade. E ainda escolheram o nome de um esporte totalmente alheio aos costumes sertanejos. Que alienação! O outro crime, mais modesto, foi a “destruição de uma relíquia”, como a qualificou Chico Rolim, ao anunciar o arrependimento, 40 anos depois de praticá-lo, na condição de cúmplice de Hildebrando Assis.

Por um triz, não ocorreu um crime derivado, a morte por enfarto de Cristiano Cartaxo, que sequer teve a solidariedade de Deusdedit Leitão na tentativa de evitar a “loucura iminente”. Mais tarde, em momento infeliz, Deusdedit justificaria sua posição usando o argumento, sussurrado baixinho, de ser a casa muito modesta para a grandeza de Mãe Aninha… Coube a Chico a dignidade de proclamar bem alto seu próprio erro.
Chico Rolim teve na política uma ascensão meteórica. Vereador pelo Partido Social Democrático (PSD), em 1959, e prefeito quatro anos depois, pela legenda da União Democrática Nacional (UDN), quando venceu três concorrentes: Acácio Braga Rolim, Raimundo Ferreira, e o major Zé Leite, das Areias. Na época, estudante de direito na Bahia, em férias, no dia da chegada a Cajazeiras subi no palanque de Raimundo e lancei um slogan que provocou o maior rebu na família. Mas isso é outra história. Hoje o homenageado é Chico Rolim em seus 90 anos de atribulada vida. Homenagem justa, merecida.

P S – Li e reli esta crônica para um amigo. Ele deu uma gargalhada: bem feito, foi castigo, com menos de 50 anos o Tênis Clube envelheceu… E só resiste graças à tenacidade de Rubismar Galvão, aliás, preocupado em manter a tradição…
 

Edivan Rodrigues

Edivan Rodrigues

Juiz de Direito, Licenciado em Filosofia, Professor de Direito Eleitoral da FACISA, Secretário da Associação dos Magistrados da Paraíba – AMPB

Contato: edvanparis@uol.com.br

Recomendado para você pelo google

RELAÇÃO COM EMPRESÁRIOS

VÍDEO: Prefeito de Cajazeiras não descarta fazer uma reforma tributária e manda recado para ‘algozes’

SERVIÇO MILITAR

VÍDEO: Quase 100 novos atiradores são incorporados ao Tiro de Guerra de Cajazeiras durante solenidade

TRIMESTRE CHUVOSO

VÍDEO: Açude Grande de Cajazeiras sangra pela primeira vez em 2019 e traz esperança para a população

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras

Edivan Rodrigues

Edivan Rodrigues

Juiz de Direito, Licenciado em Filosofia, Professor de Direito Eleitoral da FACISA, Secretário da Associação dos Magistrados da Paraíba – AMPB

Contato: edvanparis@uol.com.br