header top bar

Edivan Rodrigues

section content

Paibanês

17/07/2013 às 19h11

“…[♫] Eu sou da Paraíba, é meu esse lugar
A cara desse povo tem a minha cara
Encanto de beleza que me faz sonhar
Lugar tão lindo assim pra mim é joia rara”[♫]
Ton Oliveira

A cultura de uma terra permanece viva enquanto seu povo dá importância à sua história, às suas tradições e aos seus símbolos.

Tem sido comum observar que nossas instituições deixaram de usar os nossos símbolos estaduais, como a bandeira e o brasão, que identificam o Estado da Paraíba.

Ainda pior é a situação do Hino da Paraíba. Este, infelizmente, é totalmente desconhecido pelos paraibanos. São raros os eventos públicos em que se pode ouvir sua execução.

Não existe em nosso Estado uma cultura de valorização de nossas de tradições e amor pela nossa terra. (Amor patriae nostra lex)

Os fatores determinantes são muitos e se constata a participação negativa de muitos segmentos da nossa sociedade na contra-cultura do esquecimento de nossa identidade como povo e Estado.

As diretrizes legais para a observância dos símbolos estaduais não são cumpridas e, ao contrário, são burladas e os símbolos substituídos por outros. 

Os poderes constituídos, executivo, legislativo e judiciário, criaram símbolos próprios e independentes dos símbolos estaduais. O Estado é um só – Paraíba – e somente possui uma bandeira, um hino e um brasão de armas. Não é admissível que os poderes criem logomarcas e até brasão de armas para substituírem os símbolos estaduais, de uso obrigatório. (ex vi legis)

As demais instituições públicas seguem esse mau exemplo e criam logomarcas próprias, deixando o brasão do Estado em segundo plano. Ministério Público, Polícias, Tribunal de Contas, entre outros, deixaram de lado o brasão de armas e apresentam em seus frontispícios logomarca própria, que não se identifica com o Estado da Paraíba.

Personificam-se as administrações e para tanto ocultam os símbolos do nosso Estado. As ações estatais devem estampar a marca do Estado e não do administrador de plantão.

Não há incentivos nas escolas para a prática de atos cívicos. O Hino Nacional, que antes era executado pelo menos uma vez por semana, foi abolido das escolas. O Hino Estadual é meramente mencionado nos estudos dos símbolos estaduais, quando estudado.

De outra forma, raros são os artistas que enaltecem a nossa terra. Com isso, vamos perdendo nossa identidade cultural.

Precisamos de pintores que retratem as nossas cores, de músicos que cantem as nossas belezas e de autores que reproduzam nossa cultura.

Precisamos resgatar o orgulho de ser paraibano, estampar em nossas janelas a bandeira da Paraíba, cantar a nossa terra, ter zelo por nossas tradições. 

O jornalista Arnaldo Jabor disse certa vez que: “o único estado que canta seu hino desde crianças, jovens e idosos é o estado do Rio Grande do Sul”. De fato, os gaúchos são um povo que mantém com muito orgulho suas tradições. 

Unamo-nos ao Rio Grande do Sul como fizemos outrora (1930) e sejamos defensores de nossa cultura, de nossas tradições, de nossas cores, do nosso belo Estado da Paraíba.

Vamos dizer NEGO à nossa falta de incentivo à cultura. Vamos valorizar o nosso “paraibanês”. Precisamos assumir nossa bandeira e estampá-la com orgulho em nossos umbrais. 

Que todas as repartições públicas estaduais sejam obrigadas a usar o brasão de armas de nosso Estado e não os por elas criados, como se pudessem ser independentes do Estado.

Sejamos paraibanos com orgulho. Paraíba!

Campina Grande-PB 17 de julho de 2013

Edivan Rodrigues

Edivan Rodrigues

Juiz de Direito, Licenciado em Filosofia, Professor de Direito Eleitoral da FACISA, Secretário da Associação dos Magistrados da Paraíba – AMPB

Contato: edvanparis@uol.com.br

ESTÁ NA CAPITAL DESDE 2015

EXCLUSIVO: Após três anos, lendário padre de Cajazeiras revela o que motivou sua ida para João Pessoa

AMOR E FÉ

ESPECIAL DE FÉRIAS: Crianças e adolescentes de Cajazeiras e Sousa abrilhantam programa na TV Diário

AUXILIAR DO TROVÃO

VÍDEO: Agora no Atlético-PB, ex-jogador do Corinthians está confiante em vaga no Brasileirão da Série D

SAÚDE & BEM-ESTAR

VÍDEO: Médico alerta para consequências do uso excessivo de alguns medicamentos no aparelho digestivo

Edivan Rodrigues

Edivan Rodrigues

Juiz de Direito, Licenciado em Filosofia, Professor de Direito Eleitoral da FACISA, Secretário da Associação dos Magistrados da Paraíba – AMPB

Contato: edvanparis@uol.com.br