header top bar

section content

Em Paulista, Justiça atende MP e suspende eficácia de decreto que flexibiliza atividades não essenciais

A Prefeitura de Paulista deve restringir o horário de funcionamento de bares, restaurantes, e congêneres, no período determinado no decreto do Governo da Paraíba.

Por Juliana Santos

12/03/2021 às 19h48

Promotoria de São Bento, Sertão paraibano. – Foto: São Bento em Foco

A Justiça deferiu liminar pedida pela Promotoria de Justiça de São Bento, que determina a suspensão da eficácia dos artigos 2º e 3º do decreto municipal de nº 07/2021 da cidade de Paulista, no Sertão da paraibano, que permite o funcionamento de atividades não essenciais no município, em desconformidade com o Decreto Estadual 41.086/21. A ação foi ajuizada pelo promotor de Justiça Osvaldo Lopes Barbosa.

A liminar concedida pelo juiz José Normando Fernandes determina ainda que a Prefeitura de Paulista não autorize a abertura dos estabelecimentos  como: bares, restaurantes, e congêneres, no período determinado no Decreto Estadual, bem como o horário reduzido dos estabelecimentos comerciais em Paulista, em desconformidade com o decreto estadual até que novo decreto estadual ou federal disponha o contrário.

Também foi determinado que o Município respeite a bandeira-classificação atribuída pelo Estado. Conforme o Plano Novo Normal PB, o município de Paulista está atualmente classificado na bandeira laranja, em que são permitidas apenas as atividades essenciais. Em caso de descumprimento da decisão liminar será aplicada multa diária no valor de R$ 50 mil.

VEJA TAMBÉM

MPPB recomenda que os municípios de Paulista e São Bento sigam as normativas do Decreto do Estadual

De acordo com o promotor de Justiça Osvaldo Lopes, o novo Decreto 41.086/21 do governo do Estado restringiu ainda mais a circulação no fim de semana, permitindo os serviços essenciais, para contenção da doença, bem como evitar-se que novos pacientes entrem na lista de espera para um leito de enfermaria ou UTI. Entretanto, o Município de Paulista editou o Decreto nº 07/21, de 11 de março de 2021, que instituiu, dentre outras providências, a abertura nos dias 13, 14, 20 e 21 (sábados e domingos), dos bares, restaurantes e barracas nas margens do Rio Piranhas, de modo destoante do Decreto no 41.086/2021.

Diante da irregularidade, e a preocupação com a iminente situação de risco em que se encontra a Paraíba, a Promotoria de São Bento expediu recomendação ao prefeito de Paulista, alertando-o a se abster de flexibilizar o isolamento social em desacordo com o Decreto Estadual e de descumprir as Classificações-Bandeira atribuídas.

O promotor Osvaldo Lopes destaca ainda que o Rio Piranhas e as barracas localizadas na sua margem na cidade de Paulista aglomeram centenas de pessoas nos fins de semana. “Além disso, vale destacar que as barracas, bares e congêneres daquela localidade carecem de licença ambiental, alvará competente, o que já é objeto de Inquérito Civil Público instaurado no âmbito desta Promotoria de Justiça”, declara o promotor.

Na ação, o promotor de Justiça aponta que o Município de Paulista, ao desconsiderar as limitações impostas pelo Decreto Estadual no 41.086/2021, deixou de respeitar as normas de distribuição de competência previstas na Constituição Federal e o princípio da precaução.

DIÁRIO DO SERTÃO

NA PARAÍBA

VÍDEO: Governador fala da vacinação e do pedido de reforço na quantidade de doses ao Ministério da Saúde

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Radialista fala de julgamento no TSE que pode recolocar Allan Seixas como prefeito de Cachoeira

SORRISO NO ROSTO

VÍDEO: Mulher abandonada com os filhos pelo marido recebe ajuda em alimentos e agradece à campanha

FECHADO

VÍDEO: Diretor de fiscalização do CRM revela motivos que levaram à interdição do hospital de São João

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!