header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

Há seis meses esperando promessa, morador do lixão de Cajazeiras faz apelo a prefeitura

O secretário Roberto Cartaxo negou ter assumido qualquer compromisso com o catador.

Por Luzia de Sousa

16/02/2016 às 16h20 • atualizado em 16/02/2016 às 16h47


O catador de materiais recicláveis do lixão de Cajazeiras, Júlio César procurou a reportagem do Diário do Sertão para pedir ao secretário de Infraestrutura da cidade, Roberto Cartaxo, que mande ligar a energia elétrica da sua residência.

Júlio César explicou que o secretário ordenou a retirada dos barracos das margens do lixão e teria se comprometido em disponibilizar a energia elétrica as residências dos catadores que construíssem em outro local.

De acordo com o catador, a promessa foi feita há seis meses e até o momento nada fora resolvido. “Agora a gente ficou socado dentro do lixo perdendo todo nosso material”.

Ele disse que a casa já está pronta, mas só desocupa o local público após o cumprimento da promessa feita por Roberto Cartaxo. “Nós cumprimos com nossa palavra. Tiramos os chiqueiros e os bichos agora ele não cumpriu com a parte dele”.

Outro lado
O secretário Roberto Cartaxo confirmou que esteve no local juntamente com um representante do Ministério Público e outros secretários da administração municipal, mas negou ter assumido qualquer compromisso com o catador. “Prometi nada a ninguém não”.

Mesmo assegurando não ter prometido, o secretário informou que visitará o local nessa quarta-feira (17), para se inteirar da situação e buscar a melhor solução para o caso de Júlio César e de outros catadores.

DIÁRIO DO SERTÃO

HERANÇA ARTÍSTICA

VÍDEO: Filho de grande nome da música brasileira agita a Festa do Brega no Cajazeiras Tênis Clube

EM JOÃO PESSOA

VÍDEO E FOTOS: Posse da nova diretoria da API é marcada por repentes, lançamento de livro e emoção

DUPLA CERIMÔNIA

VÍDEO: OAB lança em Cajazeiras as chapas para as eleições da Seccional Paraíba e da Subseção local

EX-ALIADO

VÍDEO: Vereador revela que defender professores foi a ‘bomba’ que iniciou rompimento com José Aldemir