header top bar

section content

Médicos retiram quatro das cerca de 50 agulhas de menino na Bahia

O procedimento cirúrgico para a retirada de agulhas que um menino de 2 anos tem espalhadas pelo corpo acabou por volta das 20h desta sexta-feira (18), segundo informou a assessoria do Hospital Ana Nery, em Salvador (BA). De acordo com o hospital, foram retiradas quatro agulhas – duas próximas ao pulmão esquerdo e duas que […]

Por

19/12/2009 às 09h07

src=http://www.portalcorreio.com.br/obj/73/42870_W220Q60I2SASRFHFVRLRRCLCTCRCB.jpgO procedimento cirúrgico para a retirada de agulhas que um menino de 2 anos tem espalhadas pelo corpo acabou por volta das 20h desta sexta-feira (18), segundo informou a assessoria do Hospital Ana Nery, em Salvador (BA). De acordo com o hospital, foram retiradas quatro agulhas – duas próximas ao pulmão esquerdo e duas que estavam próximas ao coração.

Exames mostram que o menino tinha cerca de 50 agulhas espalhadas pelo corpo. A suspeita é de que o padrasto tenha sido o responsável por inserir as agulhas na criança. Ele foi preso preventivamente e, segundo a polícia, afirmou ter colocado os objetos em um ritual religioso. Outra duas mulheres foram presas pela suposta participação na ação.

De acordo com o hospital, a cirurgia foi bem sucedida e o menino passa bem. Ele foi encaminhado para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). A operação durou cerca de cinco horas. Durante o procedimento, um coração mecânico foi utilizado para manter o garoto vivo. Cinco especialistas e um anestesista acompanharam a operação.

As agulhas foram colocadas pelo padrasto da criança, por vingança.

Nesta quinta-feira, o padrasto do menino, que confessou ter colocado as agulhas , deu detalhes sobre o crime. Roberto Carlos Magalhães, 30 anos, disse que comprava as agulhas e entregava a Angelina Capistana Ribeiro dos Santos, de 47 anos. A orientação para introduzir agulhas na criança teria sido dada por uma mulher que se diz mãe de santo, Maria dos Anjos do Nascimento, de 56 anos. Angelina nega e diz que está sendo acusada injustamente. Os três tiveram prisão preventiva decretada.

– A criança permanecia consciente e chorava muito – disse o delegado responsável pelo caso, Hélder Fernandes Santana.

O ritual teria sido feito porque Magalhães queria se vingar da companheira, a mãe do menino, com quem vivia há seis meses. Ele disse que levava o menino para a casa de Angelina, onde as agulhas eram introduzidas. O garoto era ainda obrigado a beber a água que tinha sido usada para lavar as agulhas. O padrasto disse que as agulhas foram introduzidas num período de um mês.

Os três acusados tiveram prisão decretada e serão indiciados por tentativa de homicídio. O menino, porém, corre o risco de morrer e poderá ter de passar o resto da vida com algumas das agulhas no organismo.

Além dos órgãos vitais, os médicos devem retirar agulhas do abdômen. Apenas as que não ameaçam a vida da criança devem ser mantidas, para evitar o risco de alguma complicação.

Professora do departamento de cirurgia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a médica Simone de Campos Vieira Abib contou que já atendeu uma criança que sobreviveu a um caso semelhante.

Mas a médica afirma que, se o objeto estiver perto de um grande vaso ou órgão, deve ser removido. Ela ressalta que é preciso avaliar o dano que as agulhas causaram, não necessariamente a presença delas no corpo.

– É possível que a retirada delas seja muito mais traumática. É preciso mover tecidos até chegar à agulha, o que danifica as estruturas na tentativa de achá-la dentro de um músculo, por exemplo. Não é só puxar – afirma.

Da redação do Portal Correio com O Globo e Terra

Tags:
DÍVIDAS ALTAS

EXCLUSIVO: Juiz se pronuncia sobre processo trabalhista que pode tirar Atlético do Campeonato Paraibano

FUTEBOL

VÍDEO: Diário Esportivo traz resumo da 2ª rodada do Paraibano e detalhes da nova contratação do Atlético

COM CHICO CARDOSO

VÍDEO: ‘Briga’ entre Zé Aldemir e Airton, e Tyrone com os Gadelhas são os destaques do Direto ao Ponto

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Advogadas tiram dúvidas sobre Previdência Social e criticam atendimento no INSS de Cajazeiras