header top bar

section content

Maioria dos Brasileiros vivem em estado de miseria

Porcentual de famílias brasileiras com rendimento per capita de até meio salário mínimo recua a 22,6% Metade das famílias brasileiras vivia com rendimento per capita inferior a R$ 415 em 2008, segundo revela a Síntese de Indicadores Sociais divulgada nesta sexta-feira, 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a pesquisa, […]

Por

09/10/2009 às 18h52

Porcentual de famílias brasileiras com rendimento per capita de até meio salário mínimo recua a 22,6%

Metade das famílias brasileiras vivia com rendimento per capita inferior a R$ 415 em 2008, segundo revela a Síntese de Indicadores Sociais divulgada nesta sexta-feira, 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a pesquisa, o porcentual de famílias brasileiras que tem rendimento familiar per capita de até meio salário mínimo chegou a 22,6% em 2008 mas, apesar do patamar elevado, recuou em relação aos 32,4% apurados há dez anos.

No Nordeste, a queda no porcentual das famílias nessa faixa de rendimento, entre 1998 e 2008, foi mais intensa do que na média nacional, passando de 54,3% para 41,3% no período. De acordo com o documento de divulgação da pesquisa, esse recuo foi "provavelmente resultado de políticas públicas dirigidas às famílias mais pobres".

Em 2008, o valor médio do rendimento familiar per capita era de R$ 720 e, segundo o IBGE, a distribuição de renda no País naquele ano permanecia "bastante desigual", sendo que no Nordeste o rendimento mediano era de R$ 250, metade do Sudeste, onde chegava a R$ 500.

Do Portal Estadão

Tags:
MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”