header top bar

section content

VÍDEO: Advogados de Cajazeiras criticam INSS e orientam sobre o que fazer quando um benefício é cortado

O programa Xeque-Mate desta segunda-feira (15) discutiu sobre os benefícios que estão cortados no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)

Por Jocivan Pinheiro

17/10/2018 às 14h42 • atualizado em 17/10/2018 às 14h44

O programa Xeque-Mate desta segunda-feira (15) discutiu sobre os benefícios que estão cortados no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Para isso foram convidados o advogado Joselito Feitosa e a advogada Carla Pires.

No início do programa o apresentador Fernando Antônio fez um comentário sobre o tema dizendo ser uma vergonha o que o Governo Federal, através do INSS, está fazendo com os aposentados por invalidez que recebem auxílio doença. O gerente do INSS de Cajazeiras foi convidado a participar do programa, mas não compareceu alegando não ter autorização para falar pela instituição.

VEJA TAMBÉM: No Programa Xeque-Mate, mãe de Jandira Lordão fala dos últimos momentos com a filha antes do acidente que comoveu Cajazeiras

Foi exibido um vídeo de um aposentado da cidade de Caicó (RN) que tem os dois braços amputados, mas não encontrou no banco o dinheiro do auxílio que ele recebe há 12 anos porque, segundo o INSS, ele tem que fazer uma nova perícia.

Os convidados explicaram as funções do INSS; quais os principais benefícios que o trabalhador tem direito e o que ele precisa fazer para ser assegurado; por que o Governo Federal está cortando benefícios; tiraram dúvidas sobre a perícia e orientaram sobre o que fazer quando o benefício é cortado.

DIÁRIO DO SERTÃO

PROBLEMA GRAVE

VÍDEO: No Xeque-Mate, voluntários debatem sobre maus tratos e abandono de animais em Cajazeiras

SANTO PADROEIRO

VÍDEO: Padre anuncia programação da festa de Dom Bosco em Cajazeiras; festival de música é confirmado

FÓRUM AÇUDE GRANDE

VÍDEO: Grupo entrega documento no MP para fortalecer campanha de revitalização do açude de Cajazeiras

"FICOU DESPREZADA"

VÍDEO: Mulher acusa HRC de negligência no caso da morte de sua irmã após parto; hospital responde