header top bar

section content

A pedido do MPF, Justiça condena três réus por irregularidades envolvendo obra em praça de Cajazeiras

Para o MPF, os envolvidos frustraram caráter competitivo da licitação, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente.

Por Luzia de Sousa

17/07/2019 às 16h04 • atualizado em 17/07/2019 às 16h07

A Operação já está na quarta fase

A pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Sousa (PB), a Justiça Federal condenou três réus da Operação Andaime, por irregularidades envolvendo obra de urbanização da Praça Coração de Jesus, em Cajazeiras, no Alto Sertão da Paraíba.

VEJA TAMBÉM: Justiça inocenta ex-prefeito de Cajazeiras e empresários por suposta fraude em licitação

Afrânio Gondim Júnior, Manoel Cirilo Sobrinho e Enólla Kay Cirilo Dantas foram condenados, nesta que é a terceira sentença de ação penal da Andaime, por fraude licitatória (artigo 90 da Lei nº 8.666/93). A pena estipulada é de dois anos de detenção, revertida em restritiva de direito, mais pagamento de multa de R$ 3.902,29 – para cada um dos réus. O juiz do caso decidiu que os três condenados terão de prestar serviço à comunidade ou à entidade pública. As novas penas devem ser cumpridas à razão de uma hora por dia de condenação.

Entenda o caso
No entendimento do Ministério Público Federal, houve irregularidades na Tomada de Preços nº 05/2011. Para o MPF, os envolvidos frustraram caráter competitivo da licitação, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, com o intuito de obterem para si ou para outrem vantagem decorrente de adjudicação de objeto, envolvendo convênio firmado com o Ministério do Turismo (Contrato nº 309231-29), para a realização da obra de urbanização da praça, no valor de R$ 195.114,39.

Ainda segundo o Ministério Público, durante a execução do contrato para a realização da obra, os denunciados também deram causa a vantagem em favor do adjudicatário (Vantur Construções e Projetos LTDA, administrada por Enólla Kay), sem autorização em lei, no ato convocatório da licitação ou nos respectivos instrumentos contratuais.

Condenações anteriores – Dos três condenados nesta terceira sentença, dois já haviam sido condenados na segunda sentença: Afrânio a 46 anos e 1 mês de detenção e Enolla a 9 anos. Ao todo, já são 14 condenados na operação, que recorreram e respondem em liberdade.

Operação Andaime
A Operação Andaime foi deflagrada em 2015 e, em suas quatro fases, contou com a ação do Ministério Público Federal, do Ministério Público Estadual (MPPB), da Controladoria-Geral da União (CGU) e da Polícia Federal.

A ação desarticulou quadrilha especializada em fraudar licitações em obras e serviços de engenharia executados por 16 prefeituras do Alto Sertão paraibano.

DIÁRIO DO SERTÃO com MPF

Recomendado para você pelo google

SUCESSO

VÍDEO: Mensagem Empresarial mostra história de um dos maiores empresários e empreendedores de Cajazeiras

EMOCIONANTE

VÍDEO:Em documentário especial, Xeque Mate mostra realidade de famílias que moram no Lixão de Cajazeiras

ENTRE PÚBLICO E PRIVADO

VÍDEO: Empresário revela que quase foi candidato a prefeito de Cajazeiras e explica por que recusou

VÍDEO

Sindicatos batem martelo e definem novo salário dos comerciários de Cajazeiras para 2019-2020