header top bar

section content

Pesquisadores da UFPB alertam para efeito bumerangue da Covid-19 em Sousa, Cajazeiras e Patos

Segundo os dados, no dia 29 de junho as cidades de Sousa, Patos, Conde, Cajazeiras e Alagoa Grande tiveram maiores picos

Por Campelo Sousa

05/07/2020 às 09h21 • atualizado em 04/07/2020 às 18h08

Casos de Covid-19 seguem aumentando no Sertão

Pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) que integram o Comitê Científico do Nordeste de Combate ao Coronavírus alertam para a possibilidade de haver efeito bumerangue (de ir e voltar) de casos da Covid-19 no interior paraibano.

Segundo dados dos especialistas, no dia 29 de junho, as cinco cidades com maiores picos de crescimento de casos do novo coronavírus (SARS-CoV-2) no Estado foram: Sousa, Patos, Conde, Cajazeiras e Alagoa Grande.

VEJA TAMBÉM

Município de Sousa registra a sexta morte e atinge 620 casos confirmados da COVID-19

“Os dados revelam que a interiorização da pandemia atingiu todo o Estado e múltiplas regiões interioranas. Este fato indica a possibilidade de que João Pessoa venha a sofrer com o efeito bumerangue, que teria o potencial de produzir uma enorme sobrecarga do sistema hospitalar da cidade”, revelam os pesquisadores do comitê.

Os especialistas recomendam barreiras sanitárias e que um sistema de controle de tráfego de veículos seja instituído nas rodovias que ligam João Pessoa à Campina Grande e ao extremo oeste do Estado.

“A Paraíba poderia também considerar a possibilidade de instituir um fechamento temporário – alguns dias de cada semana – de suas fronteiras com os estados de Pernambuco e Rio Grande do Norte, para aliviar o fluxo de novos casos para João Pessoa e outras partes do Estado”, sugerem os pesquisadores.

Na sexta-feira (3), o governo federal publicou a Lei 14.019/2020, no Diário Oficial da União, para dispor sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção individual em espaços públicos e privados acessíveis ao público no Brasil.

Pela lei, órgãos e entidades públicas, estabelecimentos comerciais e industriais, templos religiosos e instituições de ensino não ficam obrigados a utilizar a medida de proteção recomendada pela Organização Mundial de Saúde.

O ex-ministro de Ciência e Tecnologia Sérgio Rezende, um dos coordenadores do Comitê Científico do Nordeste de Combate ao Coronavírus, disse, em live realizada nesta sexta-feira (3), que a lei demonstra descaso com a pandemia da Covid-19. Durante a transmissão-online, foi divulgado o nono boletim do comitê.

“Desde o começo da pandemia, existem medidas que contrariam o distanciamento social e o uso de máscaras. Temos uma projeção feita, há duas semanas, que se o isolamento fosse de 60%, teríamos cerca de 40 mil mortes a menos no país”, lamentou Rezende.

Para os pesquisadores do comitê, é preciso haver “instituição imediata de lockdown (isolamento total) e reversão de planos de afrouxamento do isolamento social em capitais e municípios interioranos que estejam apresentando curvas crescentes”.

O comitê recomenda que as políticas públicas na Paraíba efetivem a criação de Brigadas Emergenciais de Saúde por todo o estado e “impor uma estratégia eficaz para a quebra da taxa de reprodução do coronavírus tanto no interior quanto na capital”.

Também reforçam os pesquisadores do comitê que o Estado realize o seu primeiro inquérito soro-epidemiológico, com dados que possam “estabelecer a fração da população paraibana que teve contato com o novo coronavírus”.

DIÁRIO DO SERTÃO com UFPB

ESPIRITISMO

VÍDEO: Programa Mensagem de Esperança apresenta palestra com o tema: “Os Obreiros do Senhor”

DECISÃO POLÊMICA

EXCLUSIVO: Padre excomungado pela Diocese de Cajazeiras revela por que trocou de Igreja Católica

ASSISTA

Médico revela que o único teste que detecta o novo coronavírus é o RT-PCR: “Já cansei de dizer aqui”

ÁGUA COM DONO?

VÍDEO: Gerente da Cagepa critica nova lei do saneamento de Bolsonaro e lamenta situação dos lixões

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!