header top bar

section content

Chuvas isoladas e calor intenso continua nesse início de ano no Sertão, afirma meteorologista

Segundo Rodrigo, o cenário efetivamente melhora em fevereiro, seguindo essa tendência para março

Por Campelo Sousa

05/01/2021 às 10h01

Chuvas poderão voltar a atingir o Sertão

O Oceano Atlântico Sul na altura da costa leste do Nordeste esteve frio ao longo de boa parte do mês de dezembro, tal fato contribuiu para a redução significativa das chuvas no Semiárido da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará no citado mês em comparação com novembro, afirma o físico e meteorologista Rodrigo Cézar.

Segundo o meteorologista, a La Niña continua presente na região central do Pacífico Equatorial, contribuindo para que haja mais instabilidade atmosférica sobre o Semiárido, algo importante para garantir boas chuvas no final do ano, e ao longo de janeiro, além de favorecer que fenômenos meteorológicos como Frentes Frias e Zona de Convergência do Atlântico Sul que atuam no sul da Bahia em meses como dezembro, possam se deslocar para posições mais ao norte, chegando até a região de Petrolina. Dessa forma, o escoamento em altos níveis de sul e sudoeste, favorece uma entrada significativa de umidade desses sistemas meteorológicos no interior da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, favorecendo da interação com o calor intenso a formação e ocorrência de chuvas isoladas.

VEJA TAMBÉM

Fevereiro foi o mês mais chuvoso em Cajazeiras; confira os dados pluviométricos de 2020

Assim, a La Niña contribui para que os ventos em altitude fiquem favoráveis para promover chuvas no Semiárido, em contrapartida, é necessário que haja uma fonte fornecedora de umidade, neste caso poderiam ser as frentes frias que no final do ano atuam sobre o sul da Bahia, e em alguns episódios a Zona de Convergência do Atlântico Sul, algo que foi observado em novembro, quando muitos locais do interior da Paraíba registraram boas chuvas. Neste caso explica o físico Rodrigo Cézar, a interação de umidade foi grande pois houve o somatório da umidade da Zona de Convergência do Atlântico Sul com umidade do Atlântico Sul na altura da costa leste do Nordeste, já que novembro é o primeiro mês da pré-estação chuvosa do Semiárido do setor norte da região.

Conforme havia previsto o estudioso, na segunda quinzena de dezembro as chuvas isoladas voltariam ao Sertão da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, previsão confirmada. Em dezembro, cerca de 30 municípios do Semiárido especificamente da Paraíba registraram chuvas significativas, incluindo Pombal que registrou 50 mm, Sousa que registrou 15 mm, a fazenda Trapiá no setor norte do município de Patos registrou 20 mm e várias outras localidades.

De acordo com o físico, com as chuvas caindo de forma muito isolada sobre o Semiárido no citado mês, a perspectiva é de muito calor na maioria das localidades do interior da Paraíba e também Rio Grande do Norte e Ceará, pois é justamente a chuva que essa época do ano ameniza o calor.

Para Rodrigo Cézar, o cenário efetivamente melhora em fevereiro, seguindo essa tendência para março, agora em janeiro o que poderá ser mais notório é o calor intenso na região.

DIÁRIO DO SERTÃO

POR UNANIMIDADE

VÍDEO: Empresa desrespeita Lei aprovada na Câmara para beneficiar população de Cajazeiras

BOAS EXPECTATIVAS

VÍDEO: Prefeita de Bom Jesus fala de projetos e diz que pagar dentro do mês será prioridade

AUXÍLIO EMERGENCIAL

VÍDEO: ”Músicos de Conceição receberão ainda esta semana auxílio”, diz procurador após denúncias

DESCASO

VÍDEO: Moradores denunciam abandono em Conjunto Residencial de Cajazeiras e pedem ação da Prefeitura

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!