header top bar

section content

VÍDEO: Proposta salarial para professores é recusada e põe Prefeitura e Câmara de Cajazeiras em conflito

Na noite desta segunda-feira, em sessão, vereadores votaram contra projeto de lei do Poder Executivo que daria aumento de 2,94% para os professores municipais

Por Jocivan Pinheiro

06/02/2018 às 15h00 • atualizado em 06/02/2018 às 16h35

O período legislativo 2018 da Câmara Municipal de Cajazeiras iniciou com um grande impasse entre o Poder Executivo e os professores da rede municipal de ensino, deixando o problema para os vereadores resolverem. A pauta de discussão é a reposição salarial, com base em lei federal, que a categoria está cobrando, mas a Prefeitura propôs valor inferior.

Na noite desta segunda-feira (05), a Câmara recebeu um projeto de lei do Executivo que daria aumento de 2,94% para os professores, mas a proposta foi recusada pelo Sindicato dos Funcionários Municipais de Cajazeiras (SINFUMC) e o projeto acabou não sendo votado pelos parlamentares.

“A Câmara não tem muito o que fazer a não ser votar ou reprovar. Então, com o consenso de todos, colocamos nas comissões, nomeamos as comissões para se encontrarem e tentarem chegar a um acordo para se votar a matéria, tendo em vista que nós temos dois problemas grandes: o prefeito pede no projeto urgência para ser votado; nós temos um prazo de cinco dias. Em compensação, os professores precisam receber os salários do mês de janeiro e estão sem receber porque estão aguardando esse reajuste”, explicou o presidente da Câmara, Marcos Barros (PSB).

VEJA TAMBÉM: Sindicalista aciona Ministério Público por atraso salarial de servidores da Prefeitura de Cajazeiras

Vereadores, sindicalistas e representantes da Prefeitura reunidos na Câmara

Com a unanimidade opinando pela reprovação do projeto, a presidente do SINFUMC, Elinete Lourenço, desabafou dizendo que os professores estão pedindo socorro, mas ressaltou que o histórico do sindicato é de lutar até o fim na defesa da categoria e que não aceitará a redução de direitos.

“Hoje a categoria está apavorada, está pedindo socorro. Mas nós não podemos rasgar mais uma vez [o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração] e dizer que somos a terra que ensinou a Paraíba a ler. Como é que na terra que ensinou a Paraíba a ler, um gestor rasga o PCCR dos nossos servidores? Então, não podemos calar com isso”.

A polêmica continuou durante toda a sessão até que os vereadores decidiram formar uma comissão e se reuniram com membros do setor jurídico da Prefeitura, na manhã desta terça-feira (06), para cobrar a reposição de 6,81% prevista por lei.

Representantes do SINFUMC (de vermelho) não abrem mão do reajuste de 6,81%

Os sindicalistas e os vereadores reforçaram suas posições, de que não aprovam a proposta da Prefeitura em hipótese alguma. Depois dessa decisão, os representantes da gestão municipal prometeram avaliar, junto ao prefeito José Aldemir (PP), se ele volta atrás na propositura ou não.

“Estamos cada vez mais exaurindo essa discussão. A reunião foi positiva porque a gente aprofundou cada vez mais, e vamos continuar discutindo. Vamos ter uma reunião com o prefeito para avaliarmos junto à discussão que houve aqui na Câmara e vamos, a partir daí, definir os novos passos em relação ao problema”, resumiu o secretário de Articulação Política José Anchieta.

DIÁRIO DO SERTÃO

ASSISTA!

Arquitetura, urbanismo e direitos humanos marcaram último episódio da temporada do Coisas de Cajazeiras

VÍDEO

Comemorando o dia dos Direitos Humanos, professor fala sobre os avanços da data no Diversidade em Foco

SERTÃO PRESTIGIADO

VÍDEO: Com cajazeirense na vice-presidência, OAB-PB empossa os eleitos para comandar a instituição

ÁGUA

VÍDEO: Prefeito de Santa Helena inaugura barragem na comunidade São Bento e açude já acumula água