header top bar

section content

Após três meses, Polícia prende padrasto de universitária; Jovem é de família de Sousa e teria sido vista no Carnaval de Cajazeiras. VÍDEO

No mês de março, uma pessoa da família em entrevista a TV Diário do Sertão afirmou que ela teria sido vista por amigos no Carnaval de Cajazeiras.

Por Luzia de Sousa

25/05/2017 às 23h04 • atualizado em 26/05/2017 às 08h23

Três meses após o desaparecimento da universitária de enfermagem, Thayná Ferreira Alves, 21 anos, a Polícia Civil de Goiás prendeu nesta quinta-feira (25) o padrasto da jovem. Ele afirma ter deixado a estudante em um ponto de ônibus da BR-040, em Valparaíso, no Estado de Goiás, no dia 16 de fevereiro deste ano.

+ Família de Sousa procura universitária desaparecida há mais de um mês; Ela mora em Brasília e foi vista pela última vez no carnaval de Cajazeiras. VÍDEO!

A família de Thayná é natural de Sousa, e no mês de março, uma pessoa da família em entrevista a TV Diário do Sertão afirmou que ela teria sido vista por amigos durante o show do cantor Gabriel Diniz, no sábado (25), no Carnaval de Cajazeiras.

Investigações
Segundo reportagem divulgada pelo Portal Metrópoles, da cidade de Brasília, após seu desaparecimento em 16 de fevereiro ela não foi mais vista.

Em entrevista coletiva nesta quinta, o delegado responsável pelo caso, Rafael Abraão, disse que a polícia trabalha com a hipótese de que o padrasto, cujo nome não foi revelado, tenha matado e ocultado o cadáver da jovem. De acordo com o delegado, inconsistências no depoimento do suspeito, cruzamento dos dados telefônicos e de localização do celular dele e a confirmação de haver sinais de sangue em um facão pertencente ao homem levaram a polícia a pedir a prisão temporária do acusado.

Universitária ao lado do padrasto (Foto: Arquivo Pessoal)

Depoimento
Em seu depoimento à polícia, após o desaparecimento da estudante, o padrasto afirmou ter deixado Thayná em um ponto de ônibus, mas a jovem não costumava usar transporte coletivo: ela tinha carro próprio e, de acordo com familiares, o usava “até para ir à padaria”. Além disso, o homem voltou ao apartamento da família três vezes após supostamente deixar a enteada na parada de ônibus. Imagens de câmeras de segurança do prédio, obtidas pela polícia, mostraram o padrasto saindo do imóvel com várias sacolas nas três ocasiões.

Aos investigadores, ele justificou que a estudante pediu que ele levasse até a parada alguns objetos pessoais, mas o homem não soube informar para onde a jovem seguia e por que precisaria de roupas e outros itens.”Ele também não soube explicar as informações de localização, obtidas a partir dos dados de seu celular. Ficou confuso quando perguntamos o que foi fazer, no mesmo dia, na Cidade Ocidental (GO), local propenso à desova de corpos. Vamos concentrar nossas buscas nessa área, a partir da próxima semana”, afirmou o delegado Rafael Abraão. “Pedimos a prisão para avançarmos na investigação”, acrescentou.

Sangue
Exames preliminares apontaram presença de sangue, possivelmente humano, em um facão pertencente ao padrasto e apreendido pela polícia. As roupas que o homem usava no dia do desaparecimento de Thayná e o carro do suspeito também passaram por exames. “Agora falta o resultado do exame de DNA para afirmarmos, com toda certeza, se o sangue é humano e se é dela. Ele também não soube explicar a origem do sangue no facão”, detalhou o chefe da investigação.

Para a polícia, a motivação do crime seria uma discussão entre a jovem e o padrasto ocorrida em dezembro do ano passado. Na ocasião, a estudante decidiu fazer uma festa surpresa de aniversário para a mãe, mas o atual companheiro da mulher ficou enciumado com a presença de amigos da esposa na confraternização. Segundo relatos de testemunhas, ele discutiu e chegou a virar uma mesa.

Thayná, então, acionou a polícia, denunciando o padrasto por ter uma arma escondida no carro. Ao atender à ocorrência, a PM descobriu o revólver e prendeu o homem por posse ilegal de arma de fogo. “Ele nunca tinha sido preso, então se sentiu humilhado. Essa seria a motivação para o crime. Depois desse episódio, segundo relatos de outros parentes, Thayná e o padrasto tiveram várias brigas”, resumiu o delegado Rafael Abraão. A 1ª Delegacia de Polícia de Valparaíso segue em busca do paradeiro da jovem Thayná.

DIÁRIO DO SERTÃO com informações do Metrópoles

VÍDEO

Músico dá show no Acústico Diário e anuncia novo CD de trabalho; ele contou sobre o início da carreira

57 ANOS

VÍDEO: Prefeito prepara obras para serem entregues no dia da cidade em Santa Helena e convida população

MAIS UMA ESPECIALIDADE

VÍDEO: Clínica de Cajazeiras conta agora com médico especialista em doenças do intestino, reto e ânus

EPISÓDIO 14

VÍDEO: Coisas de Cajazeiras mostra trajetória do ex-prefeito Chico Rolim e fala de segurança no trabalho