header top bar

section content

Policial militar é suspeito de matar esposa dentro de casa no Sertão

Depois de ser ferida, a vítima foi socorrida e levada para um hospital na cidade.

Por Luzia de Sousa

25/01/2018 às 15h48

Assistente Social (Foto: Diamante Online)

Um subtenente da Polícia Militar está sendo procurado suspeito de matar a própria esposa na cidade de Itaporanga, no Sertão paraibano. Segundo a Polícia Militar, o caso ocorreu na manhã desta quinta-feira (25) e depois do crime o subtenente fugiu levando a arma usada na ação.  Segundo o Portal Diamante Online, a mulher foi identificada por Jaqueline Fabrícia Araújo, de 30 anos, Assistente Social.

Ao Portal G1, o Major Douglas, comandante da Polícia Militar em Itaporanga, o crime aconteceu por volta das 10h (horário local) na casa da vítima. “A gente foi surpreendido pela manhã com essa tragédia familiar. Pelo que ficamos sabendo, o casal estava discutindo, quando o policial sacou a arma e atirou duas vezes dentro da casa. Um dos tiros atingiu a mulher”, disse o comandante.

Depois de ser ferida, a vítima foi socorrida e levada para um hospital na cidade. Mas, por causa da gravidade do ferimento os médicos decidiram transferir ela para o Hospital Regional de Patos, porem, ela não resistiu e morreu no caminho.

O comandante do batalhão acredita que o subtenente suspeito fugiu em uma moto. “A gente está em diligências em busca dele. Ele levou arma e provavelmente está em uma moto”, disse o major Douglas. Até 14h30 (horário local) o policial não foi localizado.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

EM CAJAZEIRAS

VÍDEO: Ciro diz que Ricardo ‘prejudicou-se na sucessão’, mas elogia Azevêdo: “Seria uma honra no PDT”

PREOCUPADO

VÍDEO: Na Semana dos Pobres, bispo de Cajazeiras diz que “pobreza se avoluma cada vez mais nas cidades”

A OBRA PAROU?

Ex-vereador denuncia que terminal rodoviário de Sousa está abandonado: “Prefeito Tyrone não está nem aí”

PROJETO DE LEI

VÍDEO: Comentarista diz que críticas ao leilão de imóveis da Prefeitura de Cajazeiras é ‘politicagem’