header top bar

section content

VÍDEO: criminosos invadem casa e matam jovem com vários tiros em Sousa; foi o 1° homicídio em 2020

Viaturas da PM estão realizando diligências para tentar localizar e prender os criminosos que fugiram em uma motocicleta

Por Campelo Sousa

13/01/2020 às 13h40 • atualizado em 13/01/2020 às 16h04

O primeiro homicídio de 2020 registrado na cidade de Sousa aconteceu por volta das 13h desta segunda-feira (13) no bairro Nossa Senhora de Fátima, e a vítima foi o jovem Pedro Pereira de Oliveira Neto, mais conhecido como “Chiquinho” que foi assassinado com vários tiros.

De acordo com a polícia militar, o jovem estava em casa quando foi surpreendido por dois homens de moto. A dupla que estava encapuzada invadiu a casa de Chiquinho que conseguiu sair correndo, mas foi atingido com vários tiros. Ele não resistiu à gravidade dos ferimentos e veio a óbito no local.

Viaturas da PM estão realizando diligências para tentar localizar e prender os criminosos. O corpo da vítima será encaminhado ao Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (NUMOL) para realização do exame cadavérico.

Pedro Pereira de Oliveira Neto foi morto a tiros (foto: DS)

Em entrevista ao Diário do Sertão, o policial militar Inácio Gomes, falou sobre o crime e disse que no local foram encontradas várias cápsulas de pistola calibre 380. Ainda conforme a PM, a vítima tinha passagem pela polícia e envolvimento com o tráfico de drogas.

“Eles invadiram a casa atirando e a vítima mesmo atingida tentou correr mais caiu em frente à casa, já sem vida”, disse o PM.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

PROBLEMA SOCIAL

VÍDEO: Conselho Tutelar notifica pais por causa de crianças pedindo nos semáforos de Cajazeiras

OPÇÃO RELIGIOSA

VÍDEO: Retiro de Carnaval de Pombal anuncia programação da 35° edição com atrações a nível nacional

CAMPEONATO PARAIBANO

VÍDEO: Wesley, Éder Paulista e o técnico Ederson Araújo aprovam estreia do Atlético e elogiam a torcida

FALTA DE COMODIDADE

Professora cobra fiscalização na ocupação de calçadas por comerciantes que interfere a mobilidade urbana