header top bar

section content

Depois de 17 dias parados, Tribunal de Justiça decreta ilegalidade da greve e manda voltar aulas em Sousa

No caso de desobediência, o desembargador do Tribunal de Justiça estipulou multa diária de R$ 5 mil para o Sindicato dos servidores públicos. Confira!

Por Luzia de Sousa

30/03/2016 às 17h54 • atualizado em 30/03/2016 às 17h57

Professores em greve em Sousa por salários (Foto ilustrativa)

Após 17 dias de greve, o Tribunal de Justiça da Paraíba determinou nesta quarta-feira (30), a suspensão do movimento dos professores na cidade de Sousa. A decisão teve relatoria do Desembargador João Alves da Silva, que determinou prazo de 48 horas para que os profissionais de educação retomem as atividades.

Segundo a decisão do TJ, a greve é ilegal, pois o movimento teve uma abrangência geral, quando deveria garantir parte dos serviços funcionando, de acordo com o que determina a lei federal, além de ter interesse puramente remuneratório, ou seja, aumento de salário.

No entendimento do desembargador, o governo municipal cumpre o piso exigido pelos professores, no caso dos profissionais que trabalham 40 horas semanais e para aqueles que trabalham 30 horas, o salário é proporcional a carga horária.

João Alves alegou também prejuízos para os alunos, especialmente crianças e adolescentes que correm o risco de perderem o ano letivo devido o movimento grevista. No caso de desobediência, ele estipulou multa diária de R$ 5 mil para o Sindicato dos servidores públicos.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

REVOLTA

VÍDEO: ‘Só quem odeia Lula o quer preso, como se ele fosse um bandido perigoso’, diz jornalista

VÍDEO

“Sou liderança forte, mas estou abandonado”, declarou Gobira ao vivo sobre grupo de Carlos Antonio

VÍDEO!

Padre cajazeirense responde a cantor gospel que atacou Nossa Senhora: “Nossos pêsames a esse cantor”

SAIBA

É OU NÃO É FERIADO? Em entrevista, prefeito de Cajazeiras decide sobre o Dia de São Pedro