header top bar

section content

POLÊMICA: Prefeito Tyrone é condenado por 10 x 0 no STJ: “É impossível uma reviravolta “, diz vereador

Em entrevista ao Diário do Sertão, o vereador de oposição Cacá Gadelha (PSDB) falou do caso envolvendo o gestor e acredita que Tyrone deverá deixar o cargo

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

26/10/2017 às 13h06 • atualizado em 26/10/2017 às 14h38

O prefeito de Sousa, Fábio Tyrone (PSB) não obteve sucesso durante julgamento no Superior Tribunal de Justiça no caso das cores. O pleno manteve a decisão por 10 x 0, condenando o gestor municipal por ato de improbidade administrativa nas eleições de 2008 por ter usado as cores da campanha em todos os bens públicos do município.

Tyrone foi condenado às seguintes penas: multa em duas vezes o valor da remuneração recebida como prefeito, suspensão dos direitos políticos por três anos, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos e ressarcimento do dano.

Veja também: Chefe de gabinete e vereador saem em defesa de Tyrone no caso das cores

Em entrevista ao Diário do Sertão, o vereador de oposição Cacá Gadelha (PSDB) falou sobre o caso envolvendo o atual gestor e acredita que Tyrone deverá deixar o cargo:

“É impossível conseguir um reviravolta com um placar avassalador de 10 a 0, pode até recorrer ao STF, mas no meu entendimento já fora do cargo de prefeito municipal”, disse o vereador.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora