header top bar

section content

Zé Aldemir reage à acusação de compra de apoio a esposa com ‘gordos’ salários: “É dor de cotovelo”

“Isso é dor de cotovelo dos derrotados, daqueles que nunca fizeram nada, apenas se locupletar com o dinheiro público”, reagiu o prefeito.

Por Luzia de Sousa

02/07/2018 às 17h00 • atualizado em 02/07/2018 às 17h09

Durante a solenidade de início do Recapeamento Asfáltico das ruas de Cajazeiras, ocorrida nesta segunda-feira (2), na Comandante Vital Rolim, o prefeito Zé Aldemir (PP), em entrevista a TV Diário do Sertão falou pela primeira vez sobe os ‘gordos’ salários pagos aos ex-prefeitos: Lavoisier Dantas (São João do Rio do Peixe) e Damísio Mangueira (Triunfo), por supostos apoio a primeira-dama da cidade, Paula Francinete (PP), na sua pré-candidatura a deputada estadual.

+ Prefeito assina Ordem de Serviço para recuperação asfáltica e empresa já inicia a obra em Cajazeiras

De acordo com o Sagres do Tribunal de Contas do Estado e denúncias da imprensa local, Lavô (MDB) foi nomeado como Diretor de Departamento, lotado na Secretaria de Saúde com salário de R$ 9 mil.

Já Damísio, teria indicado a filha para receber o salário, a jovem Thelma Rejane Evangelista Mangueira, lotada na Secretaria Municipal de Educação, com salário de R$ 2.500,00.

Sobre o assunto, Zé Aldemir disse que está trazendo um médico da região para trabalhar em Cajazeiras (Lavô), e assegurou que a filha de Damísio trabalha no município.

“Isso é dor de cotovelo dos derrotados, daqueles que nunca fizeram nada, apenas se locupletar com o dinheiro público”, reagiu o prefeito de Cajazeiras.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

EXCLUSIVO

Presidente reafirma proibição de arma na assembleia, fala da Operação Calvário e cortes de gabinetes

VÍDEO

Governador João Azevêdo fala sobre o afastamento político com Ricardo Coutinho e mudanças no Governo

TRAGÉDIA

VÍDEO E FOTOS: Delegado dá detalhes do grave acidente próximo a parque de vaquejada em Cajazeiras

ESPERANÇA

VÍDEO: Presidente da OAB declara que luta pela permanência da Vara do Trabalho de Cajazeiras não acabou