header top bar

section content

ASSISTA: Médico e ex-prefeito de Cajazeiras esclarece polêmicas que envolvem o tratamento ‘eletrochoque’

A aplicação do eletrochoque deve ser realizada por uma equipe de profissionais médicos e pode ser feita com o paciente internado no hospital.

Por José Dias Neto

23/02/2019 às 12h16 • atualizado em 23/02/2019 às 12h20

Semanalmente o ex-prefeito de Cajazeiras, médico e psiquiatra Leonid de Sousa Abreu grava vídeos e alimenta seu canal no youtube com conteúdo próprio falando sobre diversos assuntos. O tema desta semana é polêmico!

Eletrochoque ou eletroconvulsoterapia (ECT). Que método é esse? Realmente garante resultados aos pacientes? Por que tanto tabu sobre isso? Essas e outras questões relacionados ao tema foram levantadas pelo médico e psiquiatra Léo Abreu no novo vídeo do seu canal.

VEJA TAMBÉM: ASSISTA: No vídeo da semana, médico Léo Abreu esclarece mitos e verdades acerca do transtorno obsessivo

Léo explica que embora o termo seja agressivo e nos faça lembrar do choque como meio de tortura e punição, a utilização da eletroconvulsoterapia estimula uma convulsão que constitui o elemento terapêutico fazendo com que o paciente obtenha resultados positivos.

A eletroconvulsoterapia tem uma história repleta de tragédias e maus usos. Estudos mais recentes, entretanto, apontam que ela pode ter utilidade em casos específicos. Imagem ilustrativa da internet

A aplicação do eletrochoque deve ser realizada por uma equipe de profissionais médicos e pode ser feita com o paciente internado no hospital ou ambulatorialmente.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras

FUTEBOL

VÍDEO: Diário Esportivo fala sobre o Festival de Prêmios do Atlético e do clássico contra o Sousa

MASSACRE DE SUZANO

VÍDEO: Psicóloga fala sobre jogos eletrônicos e ausência da família influenciando tragédias com jovens

O CAMINHO

VÍDEO: Em Pombal, Frei Gilson declara que a Igreja Católica precisa pregar um catolicismo praticante