header top bar

section content

Promotora de Justiça recomenda proibição de ‘Batalha do Passinho’ e festas com aglomerações em Sousa

A recomendação foi expedida pela 7ª promotora de Justiça de Sousa, Ana Luiza Braun Ary, em razão da confirmação da presença da variante Delta do novo coronavírus na Paraíba

Por José Dias Neto

01/09/2021 às 19h33

Foto: Reprodução da internet

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) recomendou, nesta terça-feira (1º), ao prefeito de Sousa Fábio Tyrone e à secretária de Saúde Amanda Silveira, aos comandantes do 14º Batalhão de Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros e ao chefe da Guarda Civil municipal que se utilizem do poder de polícia que lhes é atribuído para coibir no município do Sertão do Estado a realização do evento chamado “Batalha do Passinho” e outras manifestações da mesma natureza que gerem aglomeração de pessoas em vias públicas.

A recomendação foi expedida pela 7ª promotora de Justiça de Sousa, Ana Luiza Braun Ary, em razão da confirmação da presença da variante Delta do novo coronavírus (covid-19) no Estado e da informação, que aportou nessa terça-feira (31) na Promotoria de Justiça, de que jovens marcaram um encontro por meio das redes sociais, no último final de semana, ocasionando aglomeração na Praça da Matriz, no centro de Sousa, em desrespeito aos protocolos sanitários e regras de distanciamento social.

VEJA MAIS: 

VÍDEO: Paraíba confirma óbito pela variante Delta e secretário de Saúde faz alerta à população

Os organizadores desse evento ainda não foram identificados, mas como alerta a promotora de Justiça, quem descumprir as normas do Decreto Estadual n. 41.461/2021 e a Instrução Normativa Municipal n. 017/2021 poderá ser responsabilizado, inclusive por crime contra a saúde pública, previsto no artigo 268 do Código Penal, com pena de detenção, de um mês a um ano, e multa.

Foto aérea de Sousa, cidade polo da região. (Foto: reprodução/internet).

“O momento continua sendo de vigilância e cuidado, ainda mais com a confirmação de casos da variante Delta no Estado. Diante disso, o Ministério Público recomendou ao Município e a todos os órgãos responsáveis pela fiscalização do cumprimento dos protocolos sanitários que coíbam a realização desses eventos, devendo adotar as medidas cabíveis ao caso”, afirmou a promotora de Justiça na recomendação.

CLASSIFICAÇÃO

Na 32ª avaliação do Plano Novo Normal Paraíba, com vigência a partir do último dia 23 de agosto, que classifica o município de Sousa na bandeira amarela (cujo risco de transmissão de covid-19 requer uma série de restrições referente ao funcionamento de estabelecimentos, regrando, também, a circulação das pessoas) e a Nota Informativa publicada nessa terça-feira (31), pela Gerência de Vigilância em Saúde da Secretaria Estadual (SES-PB), confirmando 25 casos da variante Delta no Estado, com um óbito.

Também é fundamentada no artigo 196 da Constituição Federal (que estabelece a saúde como direito de todos e dever do Estado), na Lei 13.979/2020 (sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus) e nos decretos estadual e municipal que versam sobre a pandemia.

RECOMENDAÇÕES

A recomendação diz que o prefeito, a secretária de Saúde de Sousa, a PM, os Bombeiros e a Guarda Municipal deverão coibir a realização das “batalhas do passinho” e de todos os eventos que gerem a aglomeração de pessoas, lavrando os respectivos autos de infração em caso de descumprimento e promovendo os encaminhamentos às autoridades competentes.

Às polícias civil e militar, foi recomendado que adotem as providências legais contra quem insistir em descumprir as normas sanitárias sobre a proibição de qualquer manifestação que provoque aglomeração em vias públicas, independentemente do número de participantes, que venha a ter conotação de show, festa, evento e/ou qualquer outra atitude similar, apurando o crime de medida sanitária preventiva destinada a impedir a introdução ou propagação de doença contagiosa (artigo 268 do Código Penal), sem prejuízo de outros delitos eventualmente aplicáveis ao caso.

Em razão da extrema gravidade da situação, a Promotoria de Justiça estabeleceu prazo de 48 horas para que o município se manifeste sobre o atendimento espontâneo da recomendação, relacionando as medidas que serão tomadas para o seu cumprimento. Em caso de não cumprimento, serão adotadas as medidas pertinentes.

DIÁRIO DO SERTÃO

ALERTA

VÍDEO: Cardiologista paraibano faz alerta a pacientes que usam Losartana após interdição de medicamento

LUTA ANTIGA

VÍDEO: Produtores debatem sobre o Parque de Exposição de Cajazeiras e irão entregar protocolo ao Estado

EVENTO NA CAPITAL

VÍDEO: PSB anuncia Heron Cid como pré-candidato a federal, e governador cita ‘espírito de nova política’

IMUNIZAÇÃO

VÍDEO: Médico Sanitarista diz que vacina da gripe pode ser aplicada junto com a da covid-19

Recomendado pelo Google: