header top bar

section content

Transposição do São Francisco começa construção de moradias para indenizar 85 famílias em S. J. de Piranhas

Além das casas, a agrovila dispõe de posto de saúde, escola, espaço de lazer e locais destinados ao comércio e à construção de templos religiosos.

Por

29/09/2014 às 16h21

Transposição do São Francisco indeniza moradias

Foi iniciado na zona rural de São José de Piranhas, através do projeto São Francisco, o desmatamento e a preparação do terreno para a construção da Agrovila Produtiva Rural Irapuá I (VPR).

De acordo com informações, o local vai abrigar as famílias que tiveram que sair de suas moradias para dar passagem ao canal da transposição de águas do São Francisco na Meta 3N, onde estão sendo construídos túneis, canais e barragens para passagem da água do Velho Chico. 

Segundo  o Ministério da Integração Nacional, o setor residencial das vilas produtivas rurais é composto por casas de alvenaria de 99 m² de área construída, em um lote de meio hectare, equipadas com rede de água, esgoto e energia elétrica. Além das casas, a agrovila dispõe de posto de saúde, escola, espaço de lazer e locais destinados ao comércio e à construção de templos religiosos.

Nessa Vila Produtiva pelos menos 85 famílias inscritas no projeto vão ser beneficiadas com moradia. De acordo com o projeto, o Programa de Reassentamento das Populações é um dos 38 programas ambientais do Projeto São Francisco, que visa oferecer condições adequadas de moradia e serviços públicos, como escola, posto de saúde e área de lazer, à população afetada pelas obras.

Assessoria

Tags:
ASSISTA!

Arquitetura, urbanismo e direitos humanos marcaram último episódio da temporada do Coisas de Cajazeiras

VÍDEO

Comemorando o dia dos Direitos Humanos, professor fala sobre os avanços da data no Diversidade em Foco

SERTÃO PRESTIGIADO

VÍDEO: Com cajazeirense na vice-presidência, OAB-PB empossa os eleitos para comandar a instituição

ÁGUA

VÍDEO: Prefeito de Santa Helena inaugura barragem na comunidade São Bento e açude já acumula água