header top bar

section content

Chuvas vão continuar nos próximos dias em Sousa, Cajazeiras e outras cidades do Sertão afirma pesquisador

As chuvas em Fevereiro estão variando de normal a acima da média na maioria do municípios do Sertão e Alto-sertão do estado

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

22/02/2017 às 16h12

Relâmpagos clarearam o céu na cidade sorriso da Paraíba (Foto: Charley Garrido)

A previsão realizada pelo físico e meteorologista Rodrigo Cézar Limeira, de início da estação chuvosa do semiárido da Paraíba entre os dias 08 e 18 de Fevereiro se confirmou.

Segundo revelou o pesquisador na tarde desta quarta-feira (22), as chuvas mesmo irregulares, estão ocorrendo conforme previsto: um 2017 bom para encher e sangrar barreiros, e bom também para açudes de médio porte, agora para os grandes reservatórios como Coremas, Mãe d’ Água, Engenheiro Ávidos, Lagoa do Arroz, Capoeira, Boqueirão e São Gonçalo a recuperação será apenas parcial, sendo necessário concluir a transposição, algo que se arrasta desde 2006.

As chuvas em Fevereiro estão variando de normal a acima da média na maioria do municípios do Sertão e Alto-sertão do estado, algo também previsto pelo estudioso, e que devem continuar nos próximos dias, afirma Rodrigo Cézar Limeira.

Mesmo com a redução da probabilidade de chuvas observada ontem, dia 21, o estudioso afirma que as precipitações devem continuar pelo menos até dia 28 de Fevereiro, dessa forma, a chuva está prevista para vários locais do semiárido do estado, de forma esparsa e irregular podendo atingir as regiões de Patos, Pombal, Sousa e Cajazeiras.

DIÁRIO DO SERTÃO

MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”