header top bar

section content

No Sertão, Sargento da PM irá a Júri popular acusado de assassinar a esposa a tiros

Sobre a reconstituição da cena do crime, o relator disse que é facultado ao Juízo a realização, ou não, dessa diligência.

Por Luzia de Sousa

16/08/2018 às 15h33

Mulher foi atingida por tiros (Foto: Arquivo pessoal)

Mais uma sentença de pronúncia com a qualificadora de feminicídio foi mantida pela Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba, em harmonia com o parecer do Ministério Público. Ao julgar o Recurso em Sentido Estrito, da 1ª Vara da Comarca de Itaporanga/PB, o relator do processo, desembargador João Benedito da Silva, entendeu que o policial militar Damião Soares Gomes, conhecido como “Sargento Damir”, deve ser levado a Júri Popular pela prática, em tese, do crime de homicídio triplamente qualificado, previsto no artigo 121, § 2º, incisos II, IV e VI, do Código Penal. O recurso foi julgado na sessão desta quinta-feira (16).

O relator foi acompanhado pelo desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos e pelo juiz convocado Carlos Eduardo Leite Lisboa. Além do feminicídio, o réu ainda foi pronunciado com as qualificadoras de motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima.

VEJA MAIS!

+ VÍDEO: Princípio de tumulto é gerado em frente ao fórum na chegada de PM suspeito de matar esposa

+ VÍDEO: Vizinhos teriam ouvido uma discussão antes de mulher ser assassinada a tiros em Itaporanga

Conforme a Ação Penal, o crime aconteceu no dia 21 de janeiro deste ano, por volta das 9h20. Narra a denúncia que Jaqueline Fabrícia de Araújo estava em sua casa, quando o pronunciado, que morava em outra residência, chegou armado e iniciou uma discussão com a vítima, por não aceitar o fim do relacionamento. Nesse momento, a cunhada e vizinha de Jaqueline ouviu quando esta gritou: “Me solta, Damir, não faz isso, não”. A testemunha ainda conseguiu entrar na residência e viu o momento em que o acusado efetuou um disparo de arma de fogo contra a ofendida.

Ao ser interrogado pela autoridade policial, o acusado alegou que o disparo foi acidental, e ocorreu quando tentava desarmar Jaqueline. Já nas razões do apelo, o advogado de defesa apresentou a preliminar de nulidade da pronúncia, por ter sido indeferido o pedido de reconstituição da cena do crime, implicando em cerceamento de defesa. Ainda em sede de preliminar, sustentou que a decisão de 1º Grau não fundamentou as qualificadoras.

Sobre a reconstituição da cena do crime, o relator disse que é facultado ao Juízo a realização, ou não, dessa diligência. “Ademais, conforme destacado pela douta juíza, a defesa limitou-se a requerer a realização da reconstituição do crime, sem, contudo, demonstrar a necessidade do ato.”.

A respeito da preliminar de ausência de fundamentação, o relator afirmou que as três qualificadoras foram devidamente fundamentadas pelo Juízo de 1º Grau e que não foi formulado juízo de certeza, vez que a pronúncia apenas apontou presença de indícios acerca das qualificadoras.

No mérito, o relator negou provimento ao recurso e manteve a pronúncia por todos os seus fundamentos, por entender estarem presentes indícios de que o acusado agiu de ânimus necandi (intenção de matar, ou seja, de tirar a vida de outra pessoa). “O pronunciado deve ser levado ao Tribunal do Júri para que este manifeste seu veredicto a respeito do crime, com melhor análise das provas e dos fatos, oportunizando tanto à acusação, quanto à defesa, a demonstração e comprovação de suas teses, com todas as garantias legais”, finalizou João Benedito.

DIÁRIO DO SERTÃO com informações do TJ

Recomendado para você pelo google

EM SOUSA

Radialista revela que “vítima da mão pesada e dos chutes do prefeito Tyrone” disputará eleições em 2020

VÍDEO

Comandante do Corpo de Bombeiros aponta possíveis causas do incêndio no lixão de Cajazeiras

SAÚDE

VÍDEO: Programa Xeque Mate fala sobre a saúde de Cajazeiras e recebe popular e diretoras do HUJB e HRC

REFORMA AGRÁRIA

VÍDEO: Coordenadora da CPT Sertão afirma que terras são um direito dos camponeses e não do agronegócio