header top bar

section content

Juiz de Itaporanga decide que Estado deve indenizar paciente em danos morais e materiais por erro médico

Durante procedimento cirúrgico, paciente sofreu vazamento na bexiga e teve que gastar dinheiro em clínica particular para corrigir erro médico

Por Diário do Sertão com Gecom-TJPB

15/10/2020 às 16h54 • atualizado em 15/10/2020 às 16h56

Juiz Antônio Eugênio Leite Ferreira Neto, da 2ª Vara Mista de Itaporanga

O juiz Antônio Eugênio Leite Ferreira Neto, da 2ª Vara Mista de Itaporanga, no Sertão paraibano, condenou o Estado da Paraíba a pagar, a título de dano material, o valor de R$ 4.813,84 e ainda a título de dano moral, a quantia de R$ 50 mil em favor de uma paciente que se submeteu a procedimento cirúrgico, mas que, por erro médico, acabou sofrendo vazamento na bexiga (fistulo vesico-vaginal).

A parte autora alega que o médico, posteriormente, ainda tentou realizar mais duas cirurgias para solucionar seu problema, mas não obteve êxito. Aduz que procurou um especialista particular e se submeteu a novo procedimento cirúrgico, tendo que se valer de empréstimo para fazer frente às despesas, desembolsando uma quantia total de R$ 7.537,84. Requereu a procedência do pedido para ser restituída pelos valores que teve que desembolsar (dano material) e pelos danos morais que alega ter sofrido.

O Estado, em sua defesa, alegou a inexistência de dano moral indenizável, especialmente por não haver comprovação de ato ilícito atribuível ao ente, bem como pela ausência de nexo causal. Aduziu que, ainda que se reconhecesse o dano e o nexo causal, o caso trata-se de responsabilidade subjetiva e o Estado não agiu com falha do serviço (omissão). Pugnou, por fim, pela improcedência dos pedidos.

VEJA TAMBÉM: Idoso pede ajuda para fazer cirurgia nos olhos que custam R$ 2 mil em Cajazeiras

Em sua decisão, o juiz explicou que para a caracterização do dever de indenizar, faz-se necessária a verificação dos pressupostos da responsabilidade civil, quais sejam: a conduta, o dano ou prejuízo, o nexo de causalidade e, por fim, nos casos em que a responsabilidade não for objetiva, a culpa. No caso dos autos, ele disse que ficou comprovada a responsabilidade objetiva do Estado.

“Figura, na situação vertente, a presença da responsabilidade objetiva do Estado, posto que o risco da cirurgia não exime a Administração Pública no dever do ressarcimento, tal como preconizado no artigo 37, § 6º da Constituição Federal, restando configurados o dano moral e material passíveis de indenização”, frisou o magistrado.

Da decisão cabe recurso.

Confira aqui a sentença.

DIÁRIO DO SERTÃO

PEGA LADRÃO 2

VÍDEO: Suspeito de arrombar loja no centro de Cajazeiras durante a madrugada é preso em operação da PC

VITORIOSA

VÍDEO: Pollyana Dutra relata desafios de ser eleita deputada mulher e sem ter sobrenome forte

CONFUSÃO

VÍDEO: Em Sousa, radialista diz que vereador invadiu estúdio para ameaçá-lo, mas parlamentar nega

"ESCANTEADO"

VÍDEO: Vereador diz que vice-prefeito de Piancó foi usado na campanha e chama o prefeito de ditador

Recomendado pelo Google: