header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

VÍDEO: Presidente da FUNDAC explica como o Estado reduziu o número de adolescente internos em Sousa

Política de educação do Governo do Estado tem reduzido o número de adolescentes internos em unidades socioeducativas da Paraíba

Por Jocivan Pinheiro

15/05/2018 às 16h06 • atualizado em 15/05/2018 às 16h12

A política de educação do Governo do Estado tem reduzido o número de adolescentes internos em unidades socioeducativas da Paraíba. Os números foram apresentados pelo presidente da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente (FUNDAC), Noaldo Meireles.

Há dois anos no comando da autarquia que faz parte da Secretaria de Desenvolvimento Humano do Estado, Meireles ressalta o resultado positivo das implantações de escolas integrais nas sete unidades socioeducativas da Paraíba.

Na cidade de Sousa, onde há uma unidade que atende às regiões de Sousa e Cajazeiras, o número de internos caiu de 64 para 37. Na Paraíba, o número caiu de 730 para 513.

“O resultado dessa política da FUNDAC nesses dois anos é bem notado. A gente saiu de 64 internos, quando entrei, para 37. Hoje nós temos mais desinternações do que internações”, disse.

VEJA TAMBÉMPresidente explica por que a antiga sede da FUNDAC em Cajazeiras está abandonada

Meireles destaca ainda outro fator importante para essa realidade: a promoção de cursos profissionalizantes em parceria com o Ministério Público do Trabalho e o Senai. Com isso, a meta do Governo do Estado é terminar a gestão do governador Ricardo Coutinho sem déficit de vagas.

DIÁRIO DO SERTÃO

BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça