header top bar

section content

Paraíba tem quase 200 casos de H1N1; 27 pessoas morreram suspeitas da doença; um caso é de Sousa

Segundo o boletim houve um aumento nos registros confirmados de pessoas que adoeceram e que apresentaram o agente etiológico de influenza A.

Por Luzia de Sousa

02/06/2016 às 17h59 • atualizado em 02/06/2016 às 18h03

Vacinação contra a gripe (Foto: Diário do Sertão)

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou o Boletim Nº 3 da Influenza, que corresponde ao período de 1º de janeiro a 28 de maio de 2016 (21ª Semana Epidemiológica de início dos sintomas). Até então, foram notificados 176 casos para Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e, destes, 19 (10,7%) foram confirmados para influenza A (subtipo H1N1), o mesmo que circula desde 2009. Entre os casos notificados até o momento, em 31 deles (17,6%) foi descartada a presença do vírus de influenza. Os demais seguem em investigação.

Quanto aos óbitos, foram comunicados 27 casos de SRAG com suspeitas de algum vírus de influenza, sendo em nove confirmada a identificação viral para influenza A (H1N1) nos municípios de Alagoinha (1), Baía da Traição (1), Cacimba de Dentro (1), Campina Grande (1), João Pessoa (2), Maturéia (1), Sousa (1) e Mogeiro (1). Dez mortes foram descartadas para o agente etiológico de influenza e 15 óbitos seguem em investigação.

VEJA MAIS

? Ex-prefeito de São João do Rio do Peixe é internado na UTI com suspeita de H1N1

?Depois de duas vítimas suspeitas de ‘Gripe Suína’, morre 1ª vítima de calazar no Hospital de Cajazeiras

?Cajazeiras registra primeira morte suspeita da ‘Gripe Suína’; Já são dois casos no HRC

Menino de quatro anos de idade da cidade de Cajazeiras morre em hospital de Patos-PB; Suspeitas foram infecção de pulmão e H1N1

H1N1: Cajazeirense denuncia que foi a posto 21 vezes para tomar vacina e não conseguiu

Ainda segundo o boletim epidemiológico, houve um aumento nos registros confirmados de pessoas que adoeceram com SRAG e que apresentaram o agente etiológico de influenza A (subtipo H1N1). Ele mostra que o ano de 2016 tem quatro casos notificados a mais que o ano de 2009, quando foi registrada a epidemia de H1N1 no Brasil e a pandemia mundial.

“No entanto, atualmente as notificações realizadas por SRAG englobam um número maior de doenças respiratórias, o que eleva o número de casos notificados. O objetivo é conhecer o comportamento não só das doenças ocasionadas pela influenza, como também das pneumonias, diferente do ano de 2009, quando as notificações eram feitas apenas para a influenza pandêmica H1N1”, explicou a gerente executiva de Vigilância em Saúde, Renata Nóbrega.

No que diz respeito aos registros notificados de SRAG, quanto à presença de comorbidades (pelo menos duas doenças num mesmo paciente), as doenças ocasionadas por outras causas são o grupo mais acometido (27%), seguido das cardiovasculares (18%), doenças metabólicas por diabetes mellitus (16%), do aparelho respiratório (12%), obesidade (8%), doença renal (4%), neurológica (5%), imunodeficiência (4%), Síndrome de Down (2%), doença hepática (2%) e no período puerperal (2%).

“É importante ressaltar que as prevalências de doenças cardíacas, pulmonares, metabólicas e neoplásicas aumentam com a idade, e que os pacientes de doenças crônicas muitas vezes não são vacinados por não estarem cientes de sua condição de risco ou por falta de recomendação médica”, informou a chefe do Núcleo de Doenças Transmissíveis Agudas da SES, Anna Stella Pachá.

Diante do cenário atual, a SES recomenda à população e a todos os serviços de saúde do Estado intensificar as ações de prevenção e controle mencionados na Nota Técnica 01/04/2016 SES/PB – Orientações de prevenção para controle da transmissão de influenza no Estado da Paraíba.

“Para prevenir, é fundamental a lavagem frequente das mãos, evitar locais com aglomeração de pessoas e não levar crianças com gripe para a escola. Para os profissionais, é imprescindível manter a vigilância dentro do serviço – identificando precocemente os casos suspeitos e intervindo oportunamente para que estes não cheguem à gravidade, podendo culminar em óbito”, orienta a gerente de Vigilância Epidemiológica da SES, Izabel Sarmento.

Imunização – Entre as medidas de prevenção, destacou-se a campanha de vacinação contra a influenza (gripe) que ocorreu no período de 30 de abril a 20 de maio deste ano em todas as unidades de saúde dos 223 municípios do estado. A campanha de vacinação foi direcionada, conforme diretrizes do Ministério da Saúde, aos seguintes grupos prioritários: crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, puérperas, trabalhadores de saúde, povos indígenas, indivíduos com 60 anos ou mais de idade, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional e pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independe da idade.

O Ministério da Saúde preconiza aos estados que a cobertura mínima de 80%, e a Paraíba atingiu a cobertura vacinal de 88,50% totalizando 755.045 dos grupos prioritários imunizados.

Sintomas – De acordo com a chefe do Núcleo de Doenças Transmissíveis Agudas da SES, Anna Stella Pachá, a gripe simples é aquela em que o paciente está bem, podendo tratar tranquilamente em casa com hidratação e repouso. Já a síndrome respiratória aguda grave é quando o paciente tem necessidade de internamento. “É exatamente nestes casos graves que deve acontecer a notificação e a coleta de amostras. Esse cuidado maior serve para identificar corretamente as causas da complicação: se realmente é a influenza ou um resfriado e qual o tipo do vírus”, explicou.

As amostras a serem encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen-PB) devem ser coletadas até o sétimo dia do início dos sintomas, preferencialmente no terceiro dia, quando normalmente a excreção viral é maior. O profissional deve evitar coletar amostras com mais de sete dias, porque certamente o paciente não estará mais excretando o vírus e o exame dará negativo ou impreciso. As amostras precisam ser coletadas corretamente para que seja identificada com precisão a presença do vírus H1N1 ou outro que tenha ocasionado a influenza.

DIÁRIO DO SERTÃO com Secom

Recomendado para você pelo google

OBRAS NO SERTÃO

VÍDEO: Governador inaugura escolas em Joca Claudino e São João, e entrega pavimentações de Trinfo

ALAMEDA E PORTAL

VÍDEO: Vereadora denuncia situação de abandono de duas obras em Sousa: “É o retrato da atual gestão”

MODA E MEIO AMBIENTE

VÍDEO: Alunos da ECIT de Cajazeiras apresentam roupas sustentáveis em desfile do curso de Vestuário

POLÊMICA

VÍDEO: advogado sousense fala do pacote anticrime que também inclui o “juiz de garantias”