header top bar

section content

Mariana Moreira

Email: altopiranhas@uol.com.br

| 17/11/2017 09:29

A festa e o butim

Qual o pecado de uma festa de aniversário? Quais terríveis transgressões ou heresias cometeram convidados e aniversariante em celebrar a vida? Quais crimes representam a dança e a alegria de sons e tons que expressam a cara e o jeito de nossa gente? Quais tenebrosos delitos cometeram para merecer a execração pública de uma nação […]


| 10/11/2017 11:44

A pipa de Butler

A ignorância está na raiz de toda intolerância. E não falo da ignorância produzida por uma modernidade “esclarecida” que qualifica alfabetizados e desqualifica analfabetos, inventando mundos distintos e nomeando homens e mundos a partir de uma classificação política determinada pelo acesso, ou não, ao mundo escolar. Falo da ignorância política inventada pelo proposital desconhecimento das […]


| 01/11/2017 18:55

Canto no escuro

Revolvendo forças para entender e enfrentar esses tempos sombrios, pouco encontro como seiva para alimentar a esperança. Tempos sombrios em que o desânimo se apresenta como o sentimento mais presente em expressões e falas de tantos. Expressões e falas que traduzem resignação, impotência, desatino, determinismo. Sentimentos que sugam toda e qualquer possibilidade de reação e […]


| 27/10/2017 09:52

Eu, violenta?

De repente, cenas de violência estarrecem e deixam um país em pânico. O susto com a trágica dimensão das tragédias suscita debates acalorados nas páginas de jornal, em telejornais e programas televisivos, nas redes sociais. Especialistas de áreas diversas escancaram suas “sumidades científicas” em explicações “inquestionáveis” acerca de autoria e motivação para as cenas dantescas. […]


| 14/09/2017 17:23

Um canto de amor para Cajazeiras

Um redemoinho buliçoso espalha nuvens de poeira sob o azul céu sertanejo de setembro. De algum recanto de rua restos de flores ganham asas e tingem o infinito de pequenos objetos incorporando o sonho humano de voar. A desidratada paisagem se acanha em espinhos e troncos retorcidos na constituição da reserva de sobrevivência, emoldurando nossas […]


| 31/08/2017 17:16

Dois dedos de prosa com Zé III

Por Mariana Moreira Caríssimo Zé! Cá estamos nós, de novo, nesta prosa, a seco. E, para tornar a conversa menos árida, vamos começar falando de amor. Opa! Não antecipe juízo pernicioso, mas refiro-me a Estrada do Amor. É! Aquele trecho que dá acesso ao Campus da UFCG, que a irreverência popular batiza de Estrada do […]


| 27/07/2017 17:45

Apenas Zé Venga

Quando a esmaecida luz das lamparinas encantava almas penadas, visagens, botijas, as suas histórias de bocas de noite em Impueiras animavam meu universo de criança. Seu porte reto e emagrecido como a encarnar uns e outros Fabiano, Manuelzão, Miguilim, deslizava entre sombras e franjas de flagelados, cassacos, jagunços, cangaceiros. A sua saga de retirante que, […]


| 22/06/2017 19:29

Melancolia junina

As minhas noites de São João, desde a mais tenra infância, sempre tiveram o sabor de um poema de Manoel Bandeira. Mesmo sem conhecer o vate pernambucano, a melancolia esfumaçada da época junina esteve presente na mais longínqua de minhas memórias. Ainda bem criança marca o primeiro São João sem meu irmão Manoel, abruptamente retirado […]


| 14/06/2017 20:06

Réquiem ao velho casarão

Por entre suas grossas paredes ainda ecoavam gritos e risos infantis de crianças de outrora. Atrás de portas e cortinas se encantavam suspiros e sonhos de sinhazinhas ingênuas esperando garbosos cavalheiros. O piso de mosaicos coloridos revelava a posição social de seus proprietários. Na sala de estar ainda pairava no ar sons de prosas, gargalhadas, […]


| 12/05/2017 09:23

O ouro de Moscou e o Triplex do Guarujá

A formação, em 1922, do Partido Comunista Brasileiro marca o início de um importante momento da história brasileira. Buscando organizar, politicamente, a nascente classe operária nacional, o Partidão, como ficou carinhosamente conhecido, seguiu os ensinamentos de velho Marx e buscou costurar a união internacional dos trabalhadores, na esteira da famosa assertiva: “trabalhadores do mundo, uni-vos”. […]