header top bar

section content

Prefeito de Sousa garante ajuda mensal ao médico cubano: “Eu irei ajudá-lo em todos os momentos”

Tyrone garantiu que a Prefeitura vai assegurar uma ajuda de custo para a família até que saia o resultado do Revalida e Ariel possa voltar a trabalhar nos PSF’s da cidade

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

18/01/2019 às 16h24 • atualizado em 18/01/2019 às 19h00

O prefeito de Sousa, Fábio Tyrone (PSB), prestou entrevista coletiva à imprensa e falou sobre o caso envolvendo o médico cubano Ariel Sanchez Aleman que está vivenciando uma situação bastante delicada. Ariel trabalhava no PSF, porém, ficou desempregado desde que o governo cubano rompeu o contrato do programa Mais Médicos com o governo brasileiro.

+ VÍDEO: Casado com sousense, médico cubano permanece em Sousa, fica desempregado e agora pede ajuda

+ Internautas se solidarizam com médico cubano desempregado: “Doutor Ariel salvou a vida do meu filho”

Ariel e sua esposa que também está desempregada, moram com o filho de três anos. A família está vivendo do que resta do salário de novembro, o último que ele recebeu em Sousa.

Prefeito de Sousa, Fábio Tyrone em coletiva de imprensa

Prefeitura vai ajudar
Tyrone garantiu que a Prefeitura vai assegurar uma ajuda de custo para a família até que saia o resultado do Revalida e Ariel possa voltar a trabalhar nos PSF’s da cidade:

“Até ocorrer o resultado do Revalida iremos ajudar com o aluguel mensal dele, se não ocorrer, vamos pensar em outra função para ele. Ele é um trabalhador, médico que dava expediente ajudando os mais simples, e eu irei ajudá-lo em todos os momentos”, finalizou Tyrone.

O médico cubano Ariel Sanchez Aleman, sua esposa e filho (Foto: Charley Garrido)

Revalida
Ariel permaneceu no Brasil porque adquiriu dupla nacionalidade ao se casar com uma sousense. Ele atendia no Posto de Saúde da Família do bairro Jardim Sorrilândia I desde o ano de 2013, mas com o fim do contrato entre Cuba e Brasil, ele precisou realizar o exame Revalida para poder continuar atuando como médico aqui no país.

Acontece que ainda falta sair o resultado da segunda etapa do exame e depois os trâmites burocráticos de homologação. A perspectiva é de, pelo menos, cinco meses para que ele possa voltar a trabalhar como médico.

DIÁRIO DO SERTÃO

Recomendado para você pelo google

POBREZA EXTREMA

VÍDEO: Desempregada, doente e grávida, mulher faz apelo por ajuda em Cajazeiras para não passar fome

ESTUDO INÉDITO

VÍDEO: Expedição da FSM vai explorar o Nordeste para resgatar saberes populares sobre plantas medicinais

"ONIX, ONIX, ONIX"

VÍDEO: Festa retrô com banda dos anos 90 resgata carnaval com blocos tradicionais de Cajazeiras

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Após fazerem as ‘pazes’, Jeová e Júnior vão dividir cargos na saúde com Estela, diz comentarista