header top bar

section content

Vereadores alegam que foram barrados durante fiscalização em escola de Marizópolis; “constrangidos”

A própria população que deu um voto de mudança, hoje vê uma cidade parada e sem perspectiva de uma Marizópolis melhor".

Por Luzia de Sousa

18/04/2018 às 17h06

Denúncia foi dos vereadores de Marizópolis, no Sertão da Paraíba

Os vereadores Raniel Roberto, Jorgenaldo Martins, Osmar Vitalino e a vereadora Maria Betânia da cidade de Marizópolis, Sertão da Paraíba denunciaram nesta quarta-feira (18), à imprensa sousense, que foram barrados durante uma visita a uma escola municipal, na noite dessa terça-feira (17).

Veja mais!

TOQUE DE RECOLHER? Prefeitura de Marizópolis emite notificação proibindo comerciantes de abrirem seus estabelecimentos aos domingos

Zé Vieira batiza sucessor de ‘gerente’, diz que pode deixar vida pública, fala sobre Andaime e afirma que atual prefeito de Marizópolis só inaugura pintura de meio fio. VEJA VÍDEO!

Simpatizante do prefeito de Marizópolis denuncia falta de médico e diz que UBS´s são cabides de emprego: “O médico atende uma vez por semana”

De acordo com os vereadores, a base de oposição decidiu fazer uma visita a Escola Instituto Joaquina de Paiva Gadelha, onde funciona a EJA (Educação, Jovens e Adultos), no período noturno, quando a diretora não teria permitido a entrada deles.
“Sabemos dos nossos direitos e deveres como fiscalizador do Erário Publico da nossa cidade”, disse a vereadora Betânia, alegando que os vereadores foram constrangidos.

Ela lembrou que o prefeito José Lins Braga (Zé de Pedrinho – PSDB) pediu um prazo de 6 meses, ou seja, de 180 dias para poder fazer algo pelo município e já se passaram um ano e quatro meses e nada tem feito cidade.

“Infelizmente não é a nossa Marizópolis que queremos ver. A própria população que deu um voto de mudança, hoje vê uma cidade parada e sem perspectiva de uma Marizópolis que era acostumada a inaugurar obras e de uma visão ampla dos demais municípios”, criticou a vereadora.

O outro lado
A diretora da escola, Jamiliane Olímpio explicou que os vereadores solicitaram a lista dos alunos e queriam até entrar na sala, onde estava acontecendo a aula, e insinuou que eles estavam a serviço de outra pessoa. Ela disse que não permitiu a entrada deles na aula, mas alegou que a quantidade de alunos que frequenta a EJA poderia ser vista das janelas, já que são todas de vidro, para não ser necessário atrapalhar a aula.

“Outra questão que alegaram é que não tinha merenda, mas disse que a escola não está oferecendo merenda e sim janta, e até convidei eles para irem até a cozinha, mas não quiseram”, disse a diretora, declarando que os vereadores estão fiscalizando agora, depois de 20 anos que estão no poder e nada fizeram.

“Na educação a gente não pode envolver política, principalmente quando se diz que o professor está em sala de aula e o aluno está em aprendizagem, e eu achei o direito de não atrapalhar, mas se quiserem falar com os professores, pois aqui não tem perseguição”.

DIÁRIO DO SERTÃO

YOUTUBER DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Léo Abreu revela em quais profissões podemos encontrar psicopatas

ESPERANÇA NA POLÍTICA!

VÍDEO: Pastor evangélico fala sobre Bolsonaro: “Ele incorporou o que a sociedade acredita: a família”

ASSISTA!

Arquitetura, urbanismo e direitos humanos marcaram último episódio da temporada do Coisas de Cajazeiras

VÍDEO

Comemorando o dia dos Direitos Humanos, professor fala sobre os avanços da data no Diversidade em Foco